Coluna

Recuperação em K: o que é ruim para os EUA é péssimo para o Brasil

    A crise da pandemia se abateu sobre um país que ainda se recuperava de uma recessão que prejudicou muito mais os brasileiros pobres

    No primeiro debate entre os candidatos à presidência dos EUA, na terça-feira (29), o democrata Joe Biden argumentou que a recuperação econômica será em formato de um “K” e não de um “V”. A ideia é relativamente simples: os mais ricos estariam recuperando sua renda de forma rápida (parte de cima da letra “K”), enquanto os mais pobres continuariam perdendo renda (parte de baixo). Na recuperação em formato de “V”, vendida por Donald Trump, todos retornariam rapidamente à renda que tinham antes da crise.

    O que pode dar razão a Biden na ideia de que a recuperação após a catástrofe da pandemia terá o formato de um “K”? De fato a perda de renda e empregos na crise em que estamos todos mergulhados não se deu de forma proporcional para todos os tipos de ocupação: trabalhadores mais escolarizados preservaram relativamente mais seus empregos e sua renda. No Brasil, segundo dados da Pnad-Covid, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a renda do trabalho de indivíduos com no máximo o diploma de ensino médio já caiu 18,5%, ante uma queda de 13% para trabalhadores com ensino superior ou mais. Os números referentes à renda per capita do trabalho habitualmente recebida antes da pandemia e no mês de junho de 2020 sugerem que a desigualdade subiu cerca de 5% durante a crise quando medida pelo índice de Gini.

    A dinâmica setorial do número de pessoas ocupadas pode ajudar a explicar o fenômeno. De acordo com a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), as maiores perdas de emprego na pandemia se deram nos setores de alojamento e alimentação, serviços domésticos, construção e outros serviços (queda de 26,1%; 24,7%; 19,4% e 17,5%, respectivamente, entre abril e junho de 2020 em relação ao mesmo trimestre de 2019). O problema é que esses setores, mais afetados pela crise, são justamente mais intensivos em uma mão de obra relativamente menos escolarizada.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Laura Carvalho é doutora em economia pela New School for Social Research, professora da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo e autora de “Valsa brasileira: Do boom ao caos econômico” (Todavia). Escreve quinzenalmente às sextas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.