Coluna

Os fundamentos morais de Donald Trump

    A predisposição de eleitores a buscar valores universais ou comunitários ajuda a explicar a popularidade de políticos como o presidente americano

    Em algumas semanas, saberemos se Donald Trump vai surpreender o mundo novamente ao conquistar um segundo mandato ou se sua improvável presidência está chegando ao fim. Seja qual for o caso, continua sendo importante tentar entender mais a fundo como sua trajetória política foi possível.

    Muitos fatores certamente colaboraram para tanto, a começar pela extrema polarização que levou tantos republicanos que inicialmente o consideravam intolerável — e mesmo alguns que seguem considerando-o “louco” — a torcerem o nariz e lhe darem seu apoio como um mal menor. Mas naturalmente é preciso antes entender como Trump conseguiu chegar à posição de candidato republicano, como um outsider recém-chegado que conduziu uma “aquisição hostil” do partido.

    De início, o debate a respeito polarizou-se entre duas ideias. De um lado, a “ansiedade econômica” — isto é, a existência de um contingente de eleitores economicamente penalizados pela globalização e/ou mudanças tecnológicas — poderia ter aberto as portas para um candidato pregando uma retórica protecionista e hostil à imigração. De outro, a constante exploração de temas aos quais a imprensa norte-americana tradicionalmente se referia eufemisticamente como “racialmente carregados” — ou dito de forma mais clara, o racismo semi-explícito — sugeria as tensões raciais como base fundamental do trumpismo.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Filipe Campante é Bloomberg Distinguished Associate Professor na Johns Hopkins University. Sua pesquisa enfoca temas de economia política, desenvolvimento e questões urbanas e já foi publicada em periódicos acadêmicos como “American Economic Review” e “Quarterly Journal of Economics”. Nascido no Rio, ele é PhD por Harvard, mestre pela PUC-Rio, e bacharel pela UFRJ, todos em economia. Foi professor em Harvard (2007-18) e professor visitante na PUC-Rio (2011-12). Escreve mensalmente às quintas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.