Coluna

O valor das vidas negras e o colapso da quarentena

    A sociedade brasileira se acostumou com a perda precoce de vítimas da violência geral e do Estado. Absorver dezenas de milhares de mortos pelo coronavírus é uma diferença apenas de grau

    A passagem da primavera para o verão do Hemisfério Norte vem sendo marcada, nos Estados Unidos, por dois movimentos: o paulatino afrouxamento das medidas de quarentena (ou “lockdown”) adotadas em resposta à pandemia do coronavírus, e os protestos em massa que se seguiram ao bárbaro assassinato de George Floyd por um oficial de polícia em Minneapolis, mais um da série de mortes que galvanizou o movimento Black Lives Matter.

    A princípio esses dois fenômenos parecem distintos, à parte possíveis impactos mútuos no âmbito da saúde pública — embora as evidências iniciais apontem que o temor de que as aglomerações de manifestantes poderiam gerar focos de contaminação parece não ter se confirmado. A meu ver, no entanto, o fato de o país estar saindo da quarentena a despeito de o coronavírus não ter sido derrotado, com centenas de pessoas morrendo todos os dias e agregando a um total de mais de 120 mil mortes, está fundamentalmente relacionado a uma realidade em que algumas vidas — e vidas negras em particular — infelizmente parecem importar menos que outras. O afrouxamento da quarentena e a violência policial, em suma, têm um alicerce em comum.

    Os EUA essencialmente desistiram de continuar a luta para trazer o número de novos casos e mortes para perto de zero — algo que, para não mencionarmos exemplos bem-sucedidos como Coreia do Sul ou Nova Zelândia, mesmo a Europa logrou. Tendo conseguido “achatar a curva” e garantir que o sistema de saúde não está em risco de colapso, parece que a sociedade americana está essencialmente pronta para retomar um ritmo relativamente normal.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Filipe Campante é Bloomberg Distinguished Associate Professor na Johns Hopkins University. Sua pesquisa enfoca temas de economia política, desenvolvimento e questões urbanas e já foi publicada em periódicos acadêmicos como “American Economic Review” e “Quarterly Journal of Economics”. Nascido no Rio, ele é PhD por Harvard, mestre pela PUC-Rio, e bacharel pela UFRJ, todos em economia. Foi professor em Harvard (2007-18) e professor visitante na PUC-Rio (2011-12). Escreve mensalmente às quintas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.