Coluna

O auxílio emergencial de renda e a popularidade do presidente

    Programas de transferência de renda ajudam a aumentar a popularidade de presidentes, mas estudos indicam que o impacto nem sempre se mantém até as eleições

    O aumento de popularidade do presidente Jair Bolsonaro em estratos de renda mais baixos chamou a atenção da mídia em semanas recentes. A taxa de rejeição ao presidente caiu de 52% para 35% no Nordeste. Entre os indivíduos que receberam o auxílio emergencial, 42% acham Bolsonaro ótimo e bom comparados com 36% entre os que não receberam. Esse resultado não surpreende já que metade da população brasileira está recebendo o auxílio emergencial e, para muitas famílias mais pobres, o auxílio triplicou sua renda.

    Claudio Ferraz é professor da Vancouver School of Economics, na University of British Columbia, Canadá, e do Departamento de Economia da PUC-Rio. Ele é diretor científico do JPAL (Poverty Action Lab) para a América Latina. É formado em economia pela Universidade da Costa Rica, tem mestrado pela Universidade de Boston, doutorado pela Universidade da Califórnia em Berkeley e foi professor visitante na Universidade de Stanford e no MIT.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Exclusivo para assinantes

    Tenha acesso a todo o nosso conteúdo, incluindo expressos, gráficos, colunistas, especiais, além de newsletters exclusivas com curadoria da redação. Apoie o jornalismo independente brasileiro de qualidade.
    Assine o Nexo.