Coluna

Mulheres, jovens e o mercado de trabalho no pós-pandemia

    A redução da desigualdade de oportunidades de empregos exigirá políticas públicas que levem em conta a nova realidade econômica, alterada pela crise sanitária, pela revolução da tecnologia e pela demografia

    Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    A pandemia forçou algumas famílias a redefinir a maneira de lidar com os trabalhos domésticos, como o preparo das refeições, a limpeza da casa e das roupas, e os cuidados com crianças, doentes e idosos. Nos melhores casos, as tarefas foram divididas de forma solidária e cooperativa entre os membros da família, de acordo com as habilidades e as capacidades de cada um. Entretanto, é inegável que a maioria das mulheres vêm sofrendo importante sobrecarga, o que provoca o temor de voltar ao passado, com perda de conquistas duramente obtidas em tempos recentes. Será esse um fenômeno passageiro?

    Alterações no mercado de trabalho ocorrem lentamente pela influência de fatores institucionais, da migração do campo para as cidades, das mudanças demográficas, do surgimento de novas tecnologias como os eletrodomésticos etc. Alguns desses ciclos já se consolidaram no Brasil, não devendo provocar grandes mudanças a curto prazo, e outros tornam o cenário desafiador. Este é o caso da demografia, cujas variáveis mais relevantes para o mercado de trabalho são a taxa de natalidade (nascidos vivos por ano em relação à população), que vem caindo, e a expectativa de vida, que vem crescendo. Ambas atuam aumentando a oferta de mão de obra, tanto de mulheres como de homens. Já a revolução da tecnologia reduz a oferta de empregos, sobretudo para as pessoas menos qualificadas. Enfrentamos, portanto, uma situação hostil em que há aumento de oferta de mão de obra ao lado de redução da criação de postos de trabalho. É nesse contexto que ocorre o solavanco provocado pela pandemia.

    Assim como ocorreu em grande parte dos países, a necessidade de afastamento social provocou aumento do desemprego no Brasil. As mulheres foram mais afetadas do que os homens: sua participação na força de trabalho caiu 7,3 pontos percentuais no terceiro trimestre deste ano com relação à média de 2019, enquanto a dos homens caiu 6 pontos percentuais, já considerada a ligeira recuperação observada no último trimestre (gráfico abaixo). Com isso, menos da metade (45,8%) das mulheres com mais de 14 anos está trabalhando ou procurando emprego, fato que não ocorria há 30 anos. Já para os homens, tal proporção é de 65,7%, resultando em um ligeiro, e possivelmente temporário, aumento do gap de gênero no emprego — a diferença entre a taxa de participação dos homens e das mulheres no mercado de trabalho.

    Gráfico de linhas mostra a evolução da participação de homens e mulheres no mercado de trabalho brasileiro de 2012 a 2020

    Esse efeito tende a desaparecer em 2021, após a vacinação da população, caso sejam confirmadas as evidências de que o fechamento das escolas e creches tenha sido o fator principal a levar parte das mães com filhos pequenos a abandonar seus empregos, além das demissões por fechamento de empresas ou interrupção de atividades informais, que afetaram homens e mulheres. Resta saber se será retomado o crescimento da participação das mulheres no mercado de trabalho, tendência que caminha na direção oposta da observada nos países desenvolvidos.

    Creches e serviços públicos de qualidade, além de educação que prepare os jovens para esse novo mundo, são indispensáveis à construção de um país justo

    Partindo de taxas de participação das mulheres inferiores a 20% e dos homens superiores a 90% no fim do século 19 nos Estados Unidos, o gap de gênero no emprego se reduziu continuamente no país até a década de 1990, quando a participação das mulheres se estabilizou em torno de 60% — como mostra Robert Gordon em seu livro “The Rise and Fall of American Growth”, de 2016 — e, por razões ainda não inteiramente compreendidas, começou a cair após a crise de 2008. Lá, as perdas impostas pela pandemia foram menores e menos desiguais do que as observadas no Brasil, e tem havido alguma recuperação do emprego. A taxa de participação dos homens caiu 3 pontos percentuais entre a média de 2019 e abril deste ano — o pior momento da crise sanitária — e a das mulheres, 2,7 pontos percentuais. A recuperação já ocorrida fez com que as quedas se reduzissem a 1,3 ponto percentual no caso da participação dos homens, e a 1,5 ponto percentual no caso das mulheres.

    Gráfico de linhas mostra a evolução da participação de homens e mulheres na força de trabalho dos EUA de 1950 a 2020

    Além do desafio da recuperação dos empregos perdidos com a pandemia, há alterações em andamento no mercado de trabalho que ficam encobertas pelas “médias” dos dados gerais. Jovens com menor grau de instrução têm enfrentado dificuldades para encontrar emprego, enquanto as pessoas com formação superior e experiência continuam trabalhando até depois dos 70 anos, particularmente as mulheres, como mostram Claudia Goldin e Lawrence Katz analisando os Estados Unidos. Lá, o aumento da participação de mulheres acima de 50 anos começou no fim da década de 1980, antecedendo o movimento semelhante que ocorreu com os homens da mesma faixa etária. Entre mulheres de 60 a 64 anos, a participação aumentou de 34% para 51% durante os últimos 25 anos, e de 45% para 61% entre as graduadas em curso superior. Microdados apontam que a motivação do prolongamento da vida útil não parece ser a remuneração, e sim o grau de satisfação obtido pelo trabalho. Embora a participação desses grupos na força de trabalho seja pequena, é uma tendência inusitada que vai na direção oposta à observada em outras faixas etárias.

    Outro desafio que vem sendo enfrentado por quem entra no mercado de trabalho refere-se ao contínuo aumento dos preços dos serviços com relação aos dos bens. Entre 1990 e 2020, tal relação cresceu 80% nos Estados Unidos e 160% no Brasil (veja no gráfico a seguir). Para trabalhar fora de casa, as mulheres, que recebem salários sabidamente inferiores aos dos homens, passam a consumir mais serviços, como creches, transporte, alimentação fora do domicílio, etc — o que corrói progressivamente o seu salário, e eventualmente as afasta do mercado de trabalho.

    Gráfico de linhas mostra a evolução da razão entre preços de serviços e bens, nos EUA e no Brasil, de 1990 a 2020

    A pandemia passará, assim como seus efeitos mais nocivos ao mercado de trabalho. Mas a redução da desigualdade de oportunidades de empregos para mulheres e jovens exige que as políticas públicas levem em conta a nova realidade econômica, alterada pela revolução da tecnologia e pela demografia. Creches e serviços públicos de qualidade, além de educação que prepare os jovens para esse novo mundo, são indispensáveis à construção de um país justo e próspero.

    Agradeço ao Marcelo Gazzano e à Paula Magalhães pela elaboração dos gráficos.

    Também colaboraram com gráficos Caroline Souza, Gabriel Zanlorenssi e Lucas Gomes.

    Cristina Pinotti é graduada em administração pública pela EAESP-FGV e cursou o doutorado em economia na FEA-USP. É sócia da A.C. Pastore & Associados desde 1993. Antes trabalhou nos departamentos econômicos do BIB-Unibanco, Divesp e MB Associados. Concentra seus trabalhos na análise da macroeconomia brasileira, com ênfase em temas da política monetária, relações do país com a economia internacional, e planos de estabilização. Nos últimos anos tem se dedicado ao estudo da teoria da corrupção e da história da operação Mãos Limpas, na Itália. É autora de diversos artigos e livros. Escreve mensalmente às sextas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.