Coluna

Literatura em tempos de pandemia: quando a realidade imita a ficção

    São muitos os autores que criaram descrições de epidemias que assolaram cidades, países e o mundo

    Muitas vezes a realidade copia a ficção, e não contrário. Este é o caso do famoso conto “O Alienista” (1881), de Machado de Assis. A descrição do médico, que internou a todos na cidade (incluindo a mulher), e depois internou a si próprio, tudo em nome da ciência, antecede em alguns anos os estudos de Raimundo Nina Rodrigues, médico que nasceu no Maranhão, mas ficou conhecido como fundador da Escola Médica da Bahia. Em suas obras, o alienista de Salvador procurava demonstrar como os casos de alienação e de criminalidade eram provenientes da mestiçagem e do que chamava ser “degeneração”. Por isso, em seu livro “As Raças humanas e a responsabilidade penal no Brasil”, publicado postumamente em 1938, ele propunha a exclusão desses indivíduos do convívio social. Mas atenção: a obra de Machado antecede em alguns anos a de Rodrigues. Portanto, a literatura, nesse caso, não se comporta como “produto” de sua época. Na verdade, ajuda a “produzir” a realidade que pretende apenas copiar.

    E nesses tempos de coronavírus, nunca a literatura foi tão necessária! Com um livro na mão, nunca se está, de fato, “isolado”. Um livro também permite viajar, mesmo sem ter que enfrentar aeroportos e aviões superlotados.

    Vários autores, veículos e jornais têm feito listas de livros cuja associação com o momento que estamos passando é quase imediata. Com o perigo de me repetir, vou fazer aqui a minha relação de obras e da minha maneira.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Lilia Schwarcz é professora da USP e global scholar em Princeton. É autora, entre outros, de “O espetáculo das raças”, “As barbas do imperador”, “Brasil: uma biografia”, "Lima Barreto, triste visionário”, “Dicionário da escravidão e liberdade”, com Flavio Gomes, e “Sobre o autoritarismo brasileiro”. Foi curadora de uma série de exposições dentre as quais: “Um olhar sobre o Brasil”, “Histórias Mestiças”, “Histórias da sexualidade” e “Histórias afro-atlânticas". Atualmente é curadora adjunta do Masp para histórias.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.