Coluna

Há racismo no Brasil? Entre velhos racistas e novos aliados

    Basta prestar atenção no discurso do presidente e do seu vice: não se trata de um equívoco, de falta de conhecimento de como funcionam as relações raciais no país, é um projeto de poder

    Depois deste 20 de novembro na verdade, desde a morte de George Floyd, em maio , as pessoas negras brasileiras têm se deparado com muitos projetos racistas e antirracistas (os de verdade mesmo e os nem tanto) que nos deixam aqui, no centro de uma confusão. Convivendo com os mesmos problemas de sempre, vivenciando o aprofundamento do desemprego e de uma pandemia infernal que nos abateu mais do que a qualquer outro grupo racial, ainda temos que ter energia para explicar, desenhar e justificar o óbvio: existe racismo no Brasil.

    Luciana Brito é historiadora, especialista nos estudos sobre escravidão, abolição e relações raciais no Brasil e EUA e é professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. É autora do livro “Temores da África: segurança, legislação e população africana na Bahia oitocentista”, além de vários artigos. Luciana mora em Salvador com sua família, tem os pés no Recôncavo baiano, mas sua cabeça está no mundo. Escreve quinzenalmente às terças-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Exclusivo para assinantes

    Tenha acesso a todo o nosso conteúdo, incluindo expressos, gráficos, colunistas, especiais, além de newsletters exclusivas com curadoria da redação. Apoie o jornalismo independente brasileiro de qualidade.
    Assine o Nexo.