Coluna

Do álcool em gel à energia, um brinde a uma molécula: o etanol

    Em 2020 redescobrimos a potência desse pequeno e notável composto, capaz de nos proteger de vírus, mover automóveis, preservar alimentos e nos trazer uma breve sensação de felicidade

    No início dos períodos de quarentena, houve um aumento de venda de bebidas alcoólicas para consumo em casa. Não é surpreendente, pois o álcool presente em bebidas alcoólicas (e mais especificamente um álcool de dois carbonos, chamado etanol) tem efeito repressor em nossos neurônios, agindo principalmente nos circuitos inibitórios de nosso cérebro, quando ingerido em quantidades menores. A consequência é uma diminuição da inibição e vergonha e aumento relativo de nossa sensação de euforia e felicidade.

    Não é inesperado, portanto, que pessoas busquem no álcool a sensação de alegria, mesmo que temporária, ao presenciar as enormes e tristes transformações ocorrendo no mundo atual. Mas sabemos também que a felicidade trazida por bebidas alcoólicas não é inócua. Alcoolismo é um problema de saúde pública, e, num país que produz álcool em altas concentrações a baixo custo na forma de cachaça, a nossa distópica e prorrogada situação pode levar ao aumento preocupante dessa doença.

    Dentro de nossos corpos, e principalmente no fígado, o etanol é metabolizado por uma enzima que retira elétrons da molécula, gerando uma nova molécula chamada acetaldeído. O acetaldeído é perfeitamente natural, mas, como muitas outras moléculas naturais, é também bastante tóxico. Causa a sensação de ressaca e pode destruir tecidos, levando aos problemas de saúde associados ao alcoolismo. Mas por que teríamos uma enzima dentro de nós que produz um produto tóxico? Na realidade, o acetaldeído é apenas um intermediário do metabolismo de etanol, que no passo seguinte é metabolizado por outra enzima para gerar ácido acético (o mesmo composto do vinagre). O ácido acético é então convertido em energia nos nossos corpos, ou, se não houver necessidade de energia imediata, é incorporado em moléculas de gordura, e estocado para uso posterior.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Alicia Kowaltowski é médica formada pela Unicamp, com doutorado em ciências médicas. Atua como cientista na área de Metabolismo Energético. É professora titular do Departamento de Bioquímica, Instituto de Química da USP, membro da Academia Brasileira de Ciências e da Academia de Ciências do Estado de São Paulo. É autora de mais de 150 artigos científicos especializados, além do livro de divulgação Científica “O que é Metabolismo: como nossos corpos transformam o que comemos no que somos”. Escreve quinzenalmente às quintas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.