Coluna

Desigualdade extrema: as mães solo e os bilionários da pandemia

    Enquanto a maioria da população vive as incertezas do desemprego e das falhas no acesso ao auxílio emergencial, os super-ricos brasileiros aumentam seus patrimônios

    Nesta semana, provavelmente, chegaremos ao número de 100 mil pessoas mortas pela covid-19 no Brasil. Também nesta semana, mais homens brancos ficarão bilionários, assim como mais mulheres, sobretudo negras e pobres, nutrirão a esperança de que finalmente poderão receber o auxílio emergencial. Além disso, muitos homens e mulheres que compõem a precarizada mão de obra nacional perderão seus empregos.

    Luciana Brito é historiadora, especialista nos estudos sobre escravidão, abolição e relações raciais no Brasil e EUA e é professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. É autora do livro “Temores da África: segurança, legislação e população africana na Bahia oitocentista”, além de vários artigos. Luciana mora em Salvador com sua família, tem os pés no Recôncavo baiano, mas sua cabeça está no mundo. Escreve quinzenalmente às terças-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Exclusivo para assinantes

    Tenha acesso a todo o nosso conteúdo, incluindo expressos, gráficos, colunistas, especiais, além de newsletters exclusivas com curadoria da redação. Apoie o jornalismo independente brasileiro de qualidade.
    Assine o Nexo.