Coluna

Depois da Mãos Limpas: a Lava Jato chega à Itália

    Operações como a brasileira e a italiana são indispensáveis, mas a redução da grande corrupção não vai acontecer sem mudanças nas instituições que permitiram o seu crescimento

    Há um ano foi lançado o livro “Corrupção: Lava Jato e Mãos Limpas”, que organizei e para o qual escrevi um capítulo introdutório salientando algumas diferenças entre a operação brasileira e a italiana, a importância da qualidade das instituições na determinação do volume de corrupção nos países, e os custos econômicos que a corrupção acarreta.

    Nos demais capítulos, protagonistas das duas operações — Sergio Moro, Deltan Dallagnol e Roberson Pozzobon, da Lava Jato, e Piercamillo Davigo e Gherardo Colombo, da Mãos Limpas — relataram suas experiências e avaliaram as operações. O caso italiano continua provocando curiosidade por aqui, além de alguns vaticínios, que considero descabidos. Não há inexorabilidade histórica, há apenas uma dinâmica comum no comportamento daqueles que cometem crimes de corrupção e querem continuar cometendo: usar todo o poder e influência disponíveis para tentar abrandar as leis e dificultar as punições. Foi o que ocorreu, com sucesso, na Itália, mas, entre nós, apesar das tentativas do sistema político de seguir a mesma cartilha, o apoio da população ao combate à corrupção permanece e faz enorme diferença.

    Outra peculiaridade da grande corrupção brasileira foi a rapidez e a intensidade com as quais ela se espalhou pelo mundo afora, tornando-a mais visível e, portanto, vulnerável. A chegada da Lava Jato à Itália é mais um capítulo dessa história. A partir de informações coletadas no Brasil e enviadas à Itália, investigações foram feitas e os sócios da San Faustin, holding de uma empresa ítalo-argentina (a Techint), foram denunciados pelo suposto pagamento de propinas a Roberto Duque, ex-diretor da Petrobras. Entre 2009 e 2014, Duque teria favorecido a empresa em contratos da Petrobras, recebendo em troca propinas a serem depositadas no exterior. O executivo já foi condenado no âmbito da Lava Jato a 124 anos de prisão, e cumpre pena desde 2015. Mais uma curiosidade: a Techint também havia sido investigada na operação Mãos Limpas no início dos anos 90 por pagamento de propinas na Itália. O CEO da empresa à época admitiu pagamentos ilícitos, fez um acordo, e foi condenado a 16 meses de prisão. Sem mudanças nas leis e regras, a história se repete...

    A Itália acaba de chegar a uma já longa lista de países que tiveram empresas ou políticos envolvidos com a Lava Jato, que tem por objetivo investigar as operações de corrupção e lavagem de dinheiro ocorridas em contratos da Petrobras com suas maiores fornecedoras, sobretudo empreiteiras. No caso, uma empresa italiana está sendo responsabilizada pelo pagamento de propinas a um funcionário da Petrobras. Em outros, o pagamento de propinas era feito por empresas brasileiras a políticos de outros países. Podemos ter uma ideia deste procedimento, ainda que parcial, seguindo os passos da Odebrecht.

    A redução permanente da grande corrupção depende de alterações nas instituições que permitiram o seu crescimento. É um projeto ambicioso, suprapartidário, que tem contado com amplo apoio da população

    Embora tenha sido revelada a existência no Brasil de um cartel formado pelas maiores empreiteiras, a Odebrecht, a maior delas, liderou o processo de internacionalização da nossa corrupção. Ao que tudo indica, tal liderança foi conquistada pela introdução de métodos gerenciais sofisticados no pagamento das propinas por meio da criação, em 2006, do “Departamento de Operações Estruturadas”, que lhe garantiu grande vantagem com relação às parceiras de cartel, como sugerem Nicolas Campos, Eduardo Engel, Ronald Fischer e Alexander Galetovic no artigo “Renegotiations and corruption in infrastructure: the Odebrecht case” (ou “Renegociações e corrupção em infraestrutura: o caso Odebrecht”), de novembro de 2019. Em vez de chegarem apenas na forma de pagamentos em espécie — nas famosas malas de dinheiro — as propinas passaram a ser depositadas em contas offshore, utilizando um sistema paralelo, fora da contabilidade da empresa, e oculto por uma rede de alta segurança para não deixar pistas das operações e dos participantes, que utilizavam codinomes e senhas complexas nas comunicações.

    Por haver utilizado bancos norte-americanos nas transações ilícitas, a Odebrecht também foi indiciada nos Estados Unidos, tendo fechado um acordo de leniência e pagando multa de US$ 2,6 bilhões, a maior já imposta nesse tipo de acordo nos EUA. Já no acordo de colaboração a Odebrecht admitiu haver pagado US$ 788 milhões em propinas, entre 2001 e 2016, associadas a mais de 100 projetos em 12 países, e o Departamento de Justiça estima que o pagamento de propinas aumentou o lucro da empresa em US$ 3,3 bilhões. A Odebrecht também fez acordos de colaboração com República Dominicana, Panamá, Guatemala, Colômbia Equador, e Peru.

    Gráficos de barra quantificam propinas pagas e benefícios auferidos pela Odebrecht em alguns países

    É importante notar que outras grandes empreiteiras também participaram de obras e pagaram propinas no exterior, replicando a cartelização que aqui funcionava. Ao todo, além de vários políticos, quase uma dezena de ex-presidentes latino-americanos foram envolvidos nas propinas pagas pela Odebrecht e outras empreiteiras brasileiras, e cumpriram ou cumprem pena de prisão: dois ex-presidentes de El Salvador (Mauricio Funes e Francisco Flores); um do Panamá (Ricardo Martinelli); quatro do Peru (Ollanta Humala, Alexandro Toledo, Pedro Pablo Kuczynski e Alan García, que se suicidou antes da chegada da polícia) e um do Brasil (Lula).

    Operações como a Lava Jato e a Mãos Limpas são indispensáveis para revelar a abrangência e os métodos da corrupção, e aplicar penas que desincentivem tal comportamento. No entanto, a redução permanente da grande corrupção depende de alterações nas instituições que permitiram o seu crescimento. É um projeto ambicioso, suprapartidário, que no Brasil e em outros países da América Latina tem contado com amplo apoio da população, fundamental para superar as resistências impostas pelos que se beneficiam com a corrupção.

    Colaborou Lucas Gomes com o gráfico

    Cristina Pinotti é graduada em administração pública pela EAESP-FGV e cursou o doutorado em economia na FEA-USP. É sócia da A.C. Pastore & Associados desde 1993. Antes trabalhou nos departamentos econômicos do BIB-Unibanco, Divesp e MB Associados. Concentra seus trabalhos na análise da macroeconomia brasileira, com ênfase em temas da política monetária, relações do país com a economia internacional, e planos de estabilização. Nos últimos anos tem se dedicado ao estudo da teoria da corrupção e da história da operação Mãos Limpas, na Itália. É autora de diversos artigos e livros. Escreve mensalmente às sextas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: