Coluna

A irrelevância de Trump e a relevância do trumpismo

    A democracia americana mostrou-se forte o suficiente para resistir a Trump, mas não se deve subestimar o risco institucional representado pela guinada anti-majoritária do Partido Republicano

    Antes das eleições norte-americanas, muitos (eu inclusive) temiam o risco institucional representado pela reação do presidente Donald Trump à sua então provável derrota. Ele já havia indicado que apelaria a teorias conspiratórias alegando fraude, e deixado claro que não aceitaria um resultado que não fosse sua reeleição.

    Quanto ao comportamento do presidente, o temor revelou-se fundamentado. Sem qualquer base real, Trump acusou de fraudulenta a onda democrata nos votos pelo correio — já prevista, dado que o próprio presidente disse a seus apoiadores que votassem em pessoa, a despeito da pandemia — e até agora se recusa a admitir a vitória do seu oponente democrata, Joe Biden.

    Em relação às consequências, contudo, o receio pode parecer agora um tanto exagerado. Por mais que muitos sigam aventando uma incerteza relacionada aos processos judiciais e a uma possível reação dos apoiadores do presidente — muitos deles bem armados —, parece claro que muito do encanto se quebrou. As invectivas presidenciais soam não tão ameaçadoras, e mais como o recurso patético de um ego ferido. Ainda que os líderes republicanos se sintam obrigados a encenar uma adesão aos apelos, nem eles e nem a Fox News — a quem caberia o papel de televisão do regime — de fato embarcaram de corpo inteiro na tentativa golpista de Trump.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Filipe Campante é Bloomberg Distinguished Associate Professor na Johns Hopkins University. Sua pesquisa enfoca temas de economia política, desenvolvimento e questões urbanas e já foi publicada em periódicos acadêmicos como “American Economic Review” e “Quarterly Journal of Economics”. Nascido no Rio, ele é PhD por Harvard, mestre pela PUC-Rio, e bacharel pela UFRJ, todos em economia. Foi professor em Harvard (2007-18) e professor visitante na PUC-Rio (2011-12). Escreve mensalmente às quintas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.