Coluna

A importância das instituições em tempos excepcionais

    Precisamos dar ouvidos a órgãos e entidades da ciência e da saúde para diminuir o ruído gerado por qualquer outra fonte de informação

    Nos últimos dias, tenho ouvido histórias assustadoras. Não me refiro a notícias verídicas e temerosas, como os números cada vez mais elevados de covid-19 no mundo, ou o fato de termos um presidente que ignora recomendações sanitárias e pessoalmente cumprimenta centenas de pessoas após ter contato direto com indivíduos infectados pelo novo coronavírus. Me refiro a histórias menores, do nosso cotidiano e redes mais próximas: um vizinho que recomenda pingar azeite com cúrcuma no nariz para prevenir infecção; um “químico autodidata” disseminando por vídeo em redes sociais questionamentos sobre a eficácia do álcool gel e sugerindo substituir por vinagre; parentes de um amigo considerando tomar Creolina oralmente para aumentar a resistência a infecções. Vejo uma proliferação dessas informações completamente falsas e perigosas, presentes em número enorme. O resultado é que estamos sobrecarregando nossas mídias e a nossa atenção pessoal, gerando confusão e contribuindo para propagar o pânico durante uma pandemia. Precisamos do oposto. Precisamos de calma, foco em verdadeiras soluções e apoio para quem está nas linhas de frente.

    Há poucas semanas, seria inconcebível recomendar fechar o comércio e manter crianças fisicamente afastadas de seus avós, mas estamos hoje vivendo a realidade em que essas são recomendações verdadeiras, baseadas em fatos. Como, perante mudanças sociais tão rápidas e impactantes, podemos separar o que é notícia falsa do que é verdade? Como saber o que devemos ou não devemos fazer? Pra complicar, as duas perguntas são distintas: há tanto notícias falsas circulando quanto notícias que não são falsas, mas que são opiniões individuais, baseadas em dados ainda preliminares, que apontam em direções que não devemos seguir como sociedade sem maior comprovação.

    Ao ouvir e respeitar as instituições, acima de indivíduos, sairemos melhor e mais unidos destes tempos extraordinários

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Alicia Kowaltowski é médica formada pela Unicamp, com doutorado em ciências médicas. Atua como cientista na área de Metabolismo Energético. É professora titular do Departamento de Bioquímica, Instituto de Química da USP, membro da Academia Brasileira de Ciências e da Academia de Ciências do Estado de São Paulo. É autora de mais de 150 artigos científicos especializados, além do livro de divulgação Científica “O que é Metabolismo: como nossos corpos transformam o que comemos no que somos”. Escreve quinzenalmente às quintas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.