Ir direto ao conteúdo
Coluna

Sobre uma manhã de sol e sequestros de consciência

    Depois daquele dia, passei a olhar com mais compaixão para a multidão de hipnotizados ao meu redor

    Numa manhã de sol, num fim de semana recente, fui com a família para um desses centros culturais hipsters, cheios de artistas tatuados, tomar um café da manhã orgânico e ver as crianças correrem na grama. Fomos meus filhos, minha esposa, minha irmã e eu, encontramos uma porção de amigos. Uma hora um dos artistas – um ator – ergueu a voz, interrompendo as conversas e pedindo a atenção de todo mundo. Perto dele, havia um rapaz de olhar tranquilo, que na hora não saquei se era artista também ou o que é que fazia.

    O ator explicou que naquele dia haveria uma sessão de hipnose, e pedia voluntários. Fiz o que costumo fazer quando atores pedem voluntários: me escondi num canto. Não foi só pela timidez, me escondi também porque esse assunto me dá medo. A ideia de alguém de algum jeito encontrar uma porta aberta para entrar na minha mente e tomar nas mãos as rédeas dela me parece apavorante.

    Mas minha irmã não é feita da mesma coisa que eu: levantou a mão antes de todo mundo, deu um passo à frente e disse “eu quero”. Nessa hora, o olhar do rapaz tranquilo me encontrou escondido no canto e ele perguntou se eu queria assistir. Sim, assistir eu quero, disse, enquanto minha curiosidade superava minha aflição.

    Minha irmã sentou à frente dele, cada um em uma cadeira no jardim. Ele avisou que ela não seria hipnotizada se não quisesse – ela tinha que permitir. Se é verdade, ela permitiu: segundos depois ela estava ainda sentada ereta, mas com a cabeça caída para a frente, os olhos fechados, aparentemente dormindo. Fiquei chocado. Um minuto antes ela estava conversando comigo, sei que n��o combinou nada com o hipnólogo, nem o conhecia, e agora lá estava ela, suspensa entre a consciência e a inconsciência, atenta a tudo o que ele dizia, obedecendo cada comando.

    Será que tudo isso de errado que está acontecendo no mundo tem a ver com uma hipnótica maquininha de sequestrar consciência que demos para carregar no bolso?

    Veja bem. Eu sei que hipnose existe, li as reportagens da Superinteressante, vi documentários, vi fazerem ao vivo na TV ou do alto de um palco. Mas – dei-me conta naquela hora – no fundo, não acredito. Na minha visão de mundo, cada um de nós é dono da nossa vontade, da nossa consciência, da nossa mente. Só que não é. Minutos depois que minha irmã sentou na cadeira, ela já havia esquecido o número sete e olhado confusa para suas mãos depois de contar até dez e sobrar um dedo. Em seguida, o hipnólogo avisou-a que o nome dela era Denis, que é o meu nome, e ela voltou à consciência achando super normal que dois irmãos, um de cada gênero, tenham o mesmo nome. Ela era capaz de acreditar em qualquer coisa que ele dissesse.

    Ao final, o hipnólogo fez algo bem importante: avisou-a que cancelasse todas os sugestionamentos, ninguém quer ficar sem sete pelo resto da vida. Minha irmã voltou, senhora de si como de hábito, talvez meio constrangida por virar tão facilmente fantoche da vontade alheia. Foi embora um pouco atordoada.

    Eu fiquei lá, pensando que boa parte dos valores centrais da minha visão de mundo – a racionalidade das pessoas, o livre-arbítrio, a livre-consciência – são completas ilusões. Quem é que garante que a minha mais profunda convicção não tenha sido enfiada na minha cabeça por algum “condicionamento”?

    Batemos papo depois com o hipnólogo. Ele contou que é muito procurado por pastores evangélicos, interessados em uns truques para deixar os exorcismos mais impressionantes. Quem mais pelo mundo, aliás, não tem alguns daqueles poderes? Será que é possível hipnotizar um país?

    Sei lá. Sei que a hipnose matutina daquele dia de sol me fez olhar com mais compaixão para a multidão de hipnotizados ao meu redor – gente repetindo mentiras produzidas em série em fábricas de desinformação conectadas em rede. E me ocorreu uma coisa: será que tudo isso de errado que está acontecendo no mundo tem a ver com uma hipnótica maquininha de sequestrar consciência que demos para carregar no bolso?

    Denis R. Burgierman é jornalista e escreveu livros como “O Fim da Guerra”, sobre políticas de drogas, e “Piratas no Fim do Mundo”, sobre a caça às baleias na Antártica. É roteirista do “Greg News”, foi diretor de redação de revistas como “Superinteressante” e “Vida Simples”, e comandou a curadoria do TEDxAmazônia, em 2010.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: