Coluna

Qual o papel do governo na reativação da economia?

    Precisamos de mais análise cuidadosas com dados micro para responder às grandes questões macroeconômicas brasileiras

    O debate acalorado de economistas nos jornais brasileiros das últimas semanas parece ridículo para quem olha de fora. Ele inclui erros em planilhas de Excel, erros econométricos de projeções, discussões sobre o dicionário e um dogmatismo extremo tanto por parte de economistas heterodoxos como ortodoxos. Precisamos urgentemente mudar de foco. Parar de discutir e analisar dados agregados e colocar os esforços em entender a persistência da crise econômica brasileira e que tipo de políticas seriam eficazes para fazer a economia crescer novamente.

    O primeiro ponto em que não deveria haver tanta discordância, dada a evidência empírica recente e robusta, é que ao gastar recursos o governo incentiva a atividade econômica. As estimações mais confiáveis do multiplicador fiscal que usam variações regionais nos dizem que ele é de aproximadamente 1.8  – de acordo com o trabalho recente do economista Gabriel Chodorow-Reich, que resume e interpreta grande parte da evidência empírica recente (mais de 20 papers) em seu trabalho "Geographic Cross-Sectional Fiscal Spending Multipliers: What Have We Learned?". Para o Brasil, Raphael Corbi e coautores estimam no excelente trabalho "Regional Transfer Multipliers", publicado no Review of Economic Studies, um multiplicador fiscal de 2.

    É claro que o multiplicador fiscal será menor se há muita corrupção ou se obras não são acabadas, e devemos discutir se num momento de crise fiscal esse deveria ser o melhor uso dos recursos públicos. Mas para isso será necessário pensar sobre a efetividade do gasto, quem recebe recursos do governo e o que é feito com esses recursos. Essa discussão é impossível de ser feita se não olharmos para dados de empresas e setores econômicos – que é precisamente o que a literatura macroeconômica de ponta anda fazendo.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Claudio Ferraz é professor da Vancouver School of Economics, na University of British Columbia, Canadá, e do Departamento de Economia da PUC-Rio. Ele é diretor científico do JPAL (Poverty Action Lab) para a América Latina. É formado em economia pela Universidade da Costa Rica, tem mestrado pela Universidade de Boston, doutorado pela Universidade da Califórnia em Berkeley e foi professor visitante na Universidade de Stanford e no MIT.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.