Coluna

Precisamos mesmo de mais dinheiro nas eleições?

    O que as evidências dizem sobre as formas de financiamento que vêm sendo testadas no Brasil nos últimos anos

    O Fundo Eleitoral para custear campanhas políticas pode aumentar de forma significativa para as eleições municipais de 2020. A proposta do relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2020 é que ele passe de R$ 1,7 bilhão a R$ 3,7 bilhões. Apesar de quase todos os partidos políticos argumentarem que precisam de mais recursos para as eleições municipais, essas verbas serão retiradas de outros possíveis usos num momento em que o governo brasileiro passa por uma grave crise fiscal. A pergunta natural é se realmente precisamos de mais dinheiro nas eleições.

    As reformas implementadas para a eleição municipal de 2016 reduziram de forma significativa os gastos de campanhas eleitorais. Não só candidatos e partidos deixaram de ser financiados por empresas mas também foi implementado um teto de gastos em campanhas que valeu tanto para vereadores como para prefeitos. Junto com esse limite de gastos também foi encurtado o tempo de campanha visando reduzir os custos eleitorais. O custo das campanhas para vereador e prefeito no primeiro turno caiu de R$ 7,7 bilhões em 2012 para R$ 2,2 bilhões em 2016, uma redução enorme, de 71%.

    Quais foram os efeitos dessas reformas? No trabalho “Money and Politics: The Effects of Campaign Spending Limits on Political Entry and Competition”, junto com Eric Avis, Frederico Finan e Carlos Varjão, nós estimamos o impacto do teto de gastos nas eleições municipais de 2016. Utilizamos variação proveniente da forma como os limites de gastos foram implementados. A lei estipulou um teto de 70% do valor gasto pelo candidato que mais despendeu em cada município na eleição de 2012. Mas para municípios onde esse valor foi baixo, a lei colocou um teto de R$100 mil para prefeitos. Assim, municípios parecidos terminaram com tetos de gastos diferentes em 2016 por causa de decisões tomadas na eleição de 2012.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Claudio Ferraz é professor da Vancouver School of Economics, na University of British Columbia, Canadá, e do Departamento de Economia da PUC-Rio. Ele é diretor científico do JPAL (Poverty Action Lab) para a América Latina. É formado em economia pela Universidade da Costa Rica, tem mestrado pela Universidade de Boston, doutorado pela Universidade da Califórnia em Berkeley e foi professor visitante na Universidade de Stanford e no MIT.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.