Coluna

O machado, o 13 de maio e as bolsas de pesquisa

    Os cortes na educação são absurdos. Ao mesmo tempo, a maneira como nós, comunidade acadêmica, lidamos com as oportunidades de democratizar o conhecimento científico são muito limitadas

    Machado: palavra usada para finalizar os pontos de jongo. Jongo: manifestação cultural surgida no sudeste do Brasil, em especial no Vale do Rio Paraíba do Sul, que consiste na execução de dança em roda ao som de músicas (pontos) feitos pelos participantes (jongueiros). Um dos pontos mais conhecidos do jogo diz o seguinte “depois do 13 de maio cativeiro acabou”. O verso certeiro tecido pela primeira geração de descendentes de escravizados contrasta com questionamentos elaborados pelos movimentos sociais negros durante os séculos 20 e 21. 

    A despeito da assinatura da Lei Áurea em 1888 ter representado a libertação de 250 mil pessoas escravizadas, a ideia de abolição como uma grande mentira é predominante nos movimentos sociais negros. Entre outros fatos e processos, essa perspectiva eternizou-se na histórica “Marcha contra a farsa da abolição”. Realizada no centro do Rio de Janeiro no dia 11 de maio de 1988, a marcha, que reuniu mais de 20 mil pessoas para protestar contra o racismo, foi duramente reprimida pelo Estado brasileiro. Além de prender militantes que chegavam de trem de subúrbios e da Baixada Fluminense, conforme registros e pesquisas históricas, a Polícia Civil destruiu cartazes, panfletos e impediu manifestantes de encerrarem a caminhada na estátua de Zumbi dos Palmares, como tinha sido planejado pelos organizadores.

    Como eu sei de todas essas coisas? A resposta é simples. Porque existe pesquisa no Brasil. Existência essa que torna possível conhecermos em profundidade aspectos da história do nosso país. Nesse caso da marcha de 1988, a pesquisa tornou possível conhecermos aspectos narrados sob o ponto de vista de pessoas negras, em obras imprescindíveis como “Histórias do Movimento Negro no Brasil”. Organizado pelos historiadores Amilcar Pereira e Verena Alberti, o livro reúne entrevistas com militantes de movimentos sociais negros de todo o país. Yedo em Campinas, Mundinha Araújo no Maranhão, Sueli Carneiro em São Paulo, Zélia Amador de Deus em Belém do Pará e por aí vai.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Giovana Xavier é professora da Faculdade de Educação da UFRJ. Formada em história, tem mestrado, doutorado e pós-doutorado, por UFRJ, UFF, Unicamp e New York University. É idealizadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Intelectuais Negras. Em 2017, organizou o catálogo “Intelectuais Negras Visíveis”, que elenca 181 profissionais mulheres negras de diversas áreas em todo o Brasil.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.