Coluna

Como a polarização política degrada as instituições

    Na eleição e no exercício do mandato, Donald Trump, nos EUA, e Jair Bolsonaro, no Brasil, testam regras não escritas da democracia. E conseguem fazê-lo por causa da polarização

    O momento político nos Estados Unidos vem sendo dominado, nas últimas semanas, pelo processo de impeachment iniciado pela Câmara, sob liderança democrata, contra o presidente Donald Trump. O estopim do caso foi a acusação de que o presidente, em uma conversa com sua contraparte ucraniana, teria solicitado  ajuda para envolver o ex-vice-presidente Joe Biden, postulante à candidatura democrata em 2020, em um suposto escândalo de corrupção.

    Independentemente dos desdobramentos desse caso específico, parece-me incontroverso que o presidente Trump tem violado seguidamente normas de comportamento antes tidas como sacrossantas no contexto político norte-americano. No exemplo atual, trata-se da ideia de solicitar apoio de governos estrangeiros para fins eleitorais, utilizando explícita ou implicitamente o poderio americano para extrair tal cooperação. Há, porém, incontáveis outros exemplos, de tal modo que o exercício de “imagine se qualquer outro presidente tivesse feito isso” já se tornou um verdadeiro clichê – o inimaginável transformado em rotina.

    Isso naturalmente levanta a questão: o que explica essa espantosa capacidade de comportar-se de uma maneira que, diria a sabedoria convencional, destruiria a carreira de qualquer político? Qual superpoder permite ao presidente Trump, parafraseando suas próprias palavras, dar um tiro em alguém em plena Quinta Avenida, sem perder o apoio de seus seguidores?

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Filipe Campante é Bloomberg Distinguished Associate Professor na Johns Hopkins University. Sua pesquisa enfoca temas de economia política, desenvolvimento e questões urbanas e já foi publicada em periódicos acadêmicos como “American Economic Review” e “Quarterly Journal of Economics”. Nascido no Rio, ele é PhD por Harvard, mestre pela PUC-Rio, e bacharel pela UFRJ, todos em economia. Foi professor em Harvard (2007-18) e professor visitante na PUC-Rio (2011-12). Escreve mensalmente às quintas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.