Coluna

A palavra não é 'milícia'

    Está na hora de mudarmos nosso vocabulário: estamos chamando algo muito importante pelo nome errado

    A palavra “milícia” chegou a nós quase inalterada, vinda direto da Roma Antiga, onde se escrevia “militia” e significava, simplesmente, exército, ou forças armadas. Tanto é que ela serve de raiz para o adjetivo “militar”. Na origem, portanto, miliciano é o exato sinônimo de militar. A marchinha carnavalesca que tenho ouvido muito pelas ruas - “doutor, eu não me engano, o Bolsonaro é miliciano” -, portanto, não tem nada de surpreendente. Ninguém ignorava que o capitão fosse um capitão.

    Denis R. Burgierman é jornalista e escreveu livros como “O Fim da Guerra”, sobre políticas de drogas, e “Piratas no Fim do Mundo”, sobre a caça às baleias na Antártica. É roteirista do “Greg News”, foi diretor de redação de revistas como “Superinteressante” e “Vida Simples”, e comandou a curadoria do TEDxAmazônia, em 2010.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Exclusivo para assinantes

    Tenha acesso a todo o nosso conteúdo, incluindo expressos, gráficos, colunistas, especiais, além de newsletters exclusivas com curadoria da redação. Apoie o jornalismo independente brasileiro de qualidade.
    Assine o Nexo.