Coluna

Somos o outro do outro. Ou um desabafo a favor do relativismo

    O tempo tem passado ligeiro ultimamente, e o que há três anos julgávamos assegurado – uma democracia com instituições fortes e avanços consideráveis na nossa cartela de direitos – hoje soçobra feito navio sem rumo

    O antropólogo norte-americano Clifford Geertz, em artigo intitulado o “Anti anti-relativismo”, afirmou não existir melhor tarefa para um estudioso do que tratar de destruir medos (alheios e próprios). E ele mesmo selecionou um: o medo do “relativismo cultural”. Esperto, explicou que não pretendia defender “a coisa em si” — a atitude de “relativizar” ou de colocar em questão qualquer verdade ou teoria assentada. Queria mesmo era criticar “o pavor que existe em torno do conceito”. Não se tratava, portanto, de advogar por qualquer relativismo, mas de combater as categorias de acusação que têm rodeado o conceito: “o subjetivismo, o niilismo, a incoerência, o maquiavelismo na condução política, a ignorância ética”, e assim por diante.

    O artigo, publicado originalmente em 1984, continua absolutamente atual. Andamos precisando de uma boa dose de relativismo, para que consigamos novamente descobrir valor no que é diverso, sentido no que não nos diz diretamente respeito, e graça no jogo da democracia que sempre implicou conviver com a diferença.  Foi com o discurso dos relativismos que atacamos os racismos e encontramos espaço, força e lugar para idealizar vários ativismos: os feminismos e os movimentos de gênero e sexo. Também foi erguendo a bandeira dos relativismos que lutamos pela utopia de um mundo mais plural e variado.

     Pois bem. Se seguirmos a hipótese de Geertz, é possível dizer que temos visto tomar forma um mundo ferozmente antirrelativista. Um mundo que vê na diferença um adversário a ser, se possível, eliminado, e na igualdade (e na mesmice) um bom espelho para se reconhecer e admirar. Nessa era repleta de certezas e ódios consolidados, a dúvida, a vontade de ouvir, passa a ser sinal de fraqueza ou até mesmo de incoerência. É por isso que o antídoto do anti-antirrelativismo ainda funciona, mesmo que mais de 30 anos depois. Sem defender todo e qualquer relativismo (pois há limites para a nossa compreensão), vale a pena argumentar a favor de uma postura mais aberta e inclusiva de ser e estar nesta vida.   

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Lilia Schwarcz é professora da USP e global scholar em Princeton. É autora, entre outros, de “O espetáculo das raças”, “As barbas do imperador”, “Brasil: uma biografia”, "Lima Barreto, triste visionário”, “Dicionário da escravidão e liberdade”, com Flavio Gomes, e “Sobre o autoritarismo brasileiro”. Foi curadora de uma série de exposições dentre as quais: “Um olhar sobre o Brasil”, “Histórias Mestiças”, “Histórias da sexualidade” e “Histórias afro-atlânticas". Atualmente é curadora adjunta do Masp para histórias.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.