Coluna

Somos o efeito colateral que o seu sistema fez

    A notícia da inclusão de disco dos rappers Racionais no vestibular da Unicamp é sinal da relevância da discussão do pós-abolição hoje, no tempo presente

    Ainda inspirada pelas celebrações de maio, o “mês das flores”, como dizia Lima Barreto, volto a uma pergunta que marcou os quatro dias de debates do controverso II Seminário Internacional Histórias do Pós-abolição no Mundo Atlântico, realizado na Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro: quando começa e quando termina o pós-abolição no Brasil?

    A leitura do livro “Além da escravidão: investigações sobre raça, trabalho e cidadania em sociedades pós-emancipação” ajuda a responder. Na obra, os historiadores Rebecca Scott, Frederick Cooper e Thomas Holt ressaltam a dificuldade de determinar balizas temporais fixas para o começo e o término do pós-abolição em sociedades escravistas como o Brasil. Através da ideia de que o oposto de escravidão não é necessariamente a liberdade, os autores convidam-nos a um desafio: “tirar o foco daquilo que terminou com a abolição dos escravos para lançá-lo sobre o que com ela começou”. Episódios contemporâneos ligados à disputa de narrativas evidenciam a relevância do conceito “pós-abolição no tempo presente” para interpretar as relações entre ciência, saber e poder dentro e fora da academia.

    Uma semana depois que a assinatura da Lei Áurea completou 130 anos, recebemos  a notícia que o álbum “Sobrevivendo ao Inferno” (1997), do grupo Racionais MCs, integrará a lista de obras obrigatórias do vestibular da Unicamp, em 2020. Dias depois, Djamila Ribeiro agradeceu em suas redes sociais a venda de mais de 15 mil exemplares de três títulos da coleção Feminismos Plurais: “O que é lugar de fala”, assinado por ela, “O que é empoderamento?”, da arquiteta Joice Berth, e “O que é encarceramento em massa?”, da pesquisadora Juliana Borges. A filósofa também aproveitou a oportunidade para anunciar o Selo Sueli Carneiro. Trata-se de um projeto editorial em parceria com o Grupo Letramento, que, inspirado pela produção da grande Sueli Carneiro, dedica-se a publicar o pensamento de autoras negras.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Giovana Xavier é professora da Faculdade de Educação da UFRJ. Formada em história, tem mestrado, doutorado e pós-doutorado, por UFRJ, UFF, Unicamp e New York University. É idealizadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Intelectuais Negras. Em 2017, organizou o catálogo “Intelectuais Negras Visíveis”, que elenca 181 profissionais mulheres negras de diversas áreas em todo o Brasil.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.