Coluna

Das coisas que aprendi com minhas duas Margots

    Elas não gostavam de incomodar e partiram desta vida com a serenidade dos sábios de alma que evitam as guerras inúteis, os conflitos sem importância ou as queixas fúteis

    Margot era o nome das duas. Nome forte, de rainha, Margot é também uma variante francesa e inglesa de “Margarida”, um termo que vem do latim (“Margarita”), que por sua vez se origina do grego, “margarítes” ou “maragon”, cujo significado remete a “pérola” ou a “seres especiais”. Pois minha coluna é dedicada a duas Margots; dois seres muito especiais. 

    Margot era o nome de minha avó paterna, uma pessoa totalmente fora da curva; adorável. E foi como uma forma de homenagem a ela que batizamos outra criatura maravilhosa, que morou na nossa casa por nove anos. Nesse último caso, trata-se de uma linda Bernese, digna e valente.

    Minha avó Margot era, conforme a definição do rabino que oficiou seu enterro, “um caso raro de unanimidade na comunidade judaica”. Ficou famosa a piada que explica como basta um judeu para existirem duas sinagogas: uma para frequentar; outra para dizer: “naquela eu não vou de jeito nenhum!”. Já minha avó, a Vova, fugia a qualquer regra fácil. Mesmo depois de completar 80 anos fazia questão de continuar visitando seus “velhinhos”, conforme ela os definia, e que não tinham com quem celebrar seus respectivos aniversários. Vovó Margot também jamais deixava de acompanhar amigos doentes, tendo sido vista, certa vez, descendo na corrida a rampa do hospital Beneficência Portuguesa, só “para aproveitar a descidinha”.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Lilia Schwarcz é professora da USP e global scholar em Princeton. É autora, entre outros, de “O espetáculo das raças”, “As barbas do imperador”, “Brasil: uma biografia”, "Lima Barreto, triste visionário”, “Dicionário da escravidão e liberdade”, com Flavio Gomes, e “Sobre o autoritarismo brasileiro”. Foi curadora de uma série de exposições dentre as quais: “Um olhar sobre o Brasil”, “Histórias Mestiças”, “Histórias da sexualidade” e “Histórias afro-atlânticas". Atualmente é curadora adjunta do Masp para histórias.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.