Coluna

Como reduzir nossas desigualdades raciais?

    Uma política temporária de ação afirmativa pode mudar o comportamento de empresas e gerar efeitos permanentes.

    O Brasil aboliu a escravidão há 130 anos, mas as diferenças econômicas e sociais entre brancos e negros permanecem gritantes. Crianças negras morrem mais que brancas, alunos negros têm maior chance de estarem fora da escola e, quando estão na escola, seu desempenho em provas é significativamente pior. A chance de negros serem vítimas de homicídios é significativamente maior do que a de brancos, e mesmo se olharmos para brancos e negros graduados a diferença de renda ainda é grande. Essas diferenças são passadas através de gerações, não só pela transmissão intergeracional da pobreza, mas também pela persistência de preconceito e racismo.

    As diferenças raciais geram grandes perdas sociais e econômicas. Chang-Tai Hsieh e coautores das universidades de Chicago e Stanford mostraram num estudo recente que, para os EUA, houve uma grande convergência entre as ocupações de brancos e negros. Enquanto em 1960, 94 % dos médicos eram brancos, hoje esse número está próximo dos 60 %. Algo similar aconteceu para as outras ocupações altamente qualificadas.

    Assumindo que talento nato para uma ocupação está distribuído na população de maneira fixa ao longo do tempo, essas diferenças sugerem que negros não estavam se especializando e trabalhando em ocupações em que teriam vantagens comparativas. Eles mostram no trabalho que a má alocação de talento gera enormes perdas de produtividade para a economia. Há diversas meninas negras que teriam talento para serem brilhantes médicas e advogadas, mas que nunca conseguem chegar lá por barreiras impostas pela sociedade.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Claudio Ferraz é professor da Vancouver School of Economics, na University of British Columbia, Canadá, e do Departamento de Economia da PUC-Rio. Ele é diretor científico do JPAL (Poverty Action Lab) para a América Latina. É formado em economia pela Universidade da Costa Rica, tem mestrado pela Universidade de Boston, doutorado pela Universidade da Califórnia em Berkeley e foi professor visitante na Universidade de Stanford e no MIT.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.