Coluna

Como melhorar a nossa educação?

    Temos que utilizar dados para entender o problema e evidência empírica para descobrir novas soluções

    Este ano o Banco Mundial fez o seu relatório anual “World Development Report” inteiramente dedicado ao tema de educação em países em desenvolvimento. A crise de aprendizagem que assola o Brasil, apesar de aumentos significativos nos recursos dedicados à educação na última década, não é exclusividade nossa. Diversos países passam por dificuldades similares. Para dar uma ordem de magnitude ao problema, o relatório do Banco Mundial utiliza o exemplo de um jovem brasileiro de 15 anos. Dada a atual taxa de melhoria na aprendizagem medida pelo Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos, na sigla em inglês), teremos que esperar 75 anos para que um jovem brasileiro chegue ao nível de conhecimento de matemática de jovens residentes em países ricos com boas escolas.

    Claudio Ferraz é professor da Vancouver School of Economics, na University of British Columbia, Canadá, e do Departamento de Economia da PUC-Rio. Ele é diretor científico do JPAL (Poverty Action Lab) para a América Latina. É formado em economia pela Universidade da Costa Rica, tem mestrado pela Universidade de Boston, doutorado pela Universidade da Califórnia em Berkeley e foi professor visitante na Universidade de Stanford e no MIT.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Exclusivo para assinantes

    Tenha acesso a todo o nosso conteúdo, incluindo expressos, gráficos, colunistas, especiais, além de newsletters exclusivas com curadoria da redação. Apoie o jornalismo independente brasileiro de qualidade.
    Assine o Nexo.