Coluna

Ciência, lugar de fala e mulheres negras na academia

    A solução do problema brasileiro passa pela construção de novas epistemologias e pela necessidade de localizar o saber que se produz na ciência

    Há pouco mais de um mês recebi um convite para participar de uma banca de defesa de dissertação de mestrado. O título “Elza Soares: gênero e relações étnico-raciais na música popular brasileira e no ensino de história” e o fato da autora, Juliana Videira, ser da Unicamp, no Mestrado Profissional em Ensino de História remeteram-me às mudanças que mulheres negras temos promovido no Brasil. Guiaram-me também ao meu passado como estudante de doutorado da mesma universidade. Em 2006, na linha de pesquisa de história social da cultura, referência mundial em estudos sobre a escravidão no Brasil e nas Américas, eu fui a única estudante negra aprovada no processo seletivo.

    A essa altura, tendo vindo de centros de excelência da produção acadêmica (UFRJ e UFF) ser a única não era novidade. Entretanto, em pouco tempo descobri o quanto a experiência de estudar em uma instituição pública de elite, enraizada no interior de São Paulo, marcaria a minha vida e a construção de minha identidade profissional. Nos anos em que por lá estive, foram muitos os casos de racismo, experimentados com outros colegas negros que começavam assim como eu a chegar na pós-graduação. Entre tantos, lembro do dia em que apresentei para turma meu projeto de pesquisa - ritual obrigatório na linha de pesquisa à qual pertencia.

    Os comentários de mestrandos e doutorandos brancos sobre como o texto “estava mal escrito e poderia melhorar” e como “estudar concursos de beleza negra no pós-abolição” era algo “fútil e irrelevante” fizeram-me entender o abismo entre teoria e prática na história social do trabalho. Ao mesmo tempo em que referenciavam pesquisas nas premissas de Edward Thompson acerca da importância de visibilizar as experiências e o protagonismo das classes trabalhadoras, operavam, para usar uma expressão do próprio historiador inglês, na mais absoluta “miséria da teoria” para o desenvolvimento de pesquisas supostamente neutras. Histórias como essa de silenciamento e desqualificação dos modos de fazer e pensar de pessoas negras são parte do “privilégio epistêmico”. Somadas ao descaso de professores e gestores da instituição e a capacidade de reinvenção de estudantes negros, tais histórias culminaram na criação dos primeiros coletivos universitários naquele espaço, como  o Negros do IFCH (Instituto de Filosofia e Ciências Humanas).

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Giovana Xavier é professora da Faculdade de Educação da UFRJ. Formada em história, tem mestrado, doutorado e pós-doutorado, por UFRJ, UFF, Unicamp e New York University. É idealizadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Intelectuais Negras. Em 2017, organizou o catálogo “Intelectuais Negras Visíveis”, que elenca 181 profissionais mulheres negras de diversas áreas em todo o Brasil.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.