Coluna

Chegou a vez de ouvir. Ou deixa eu te contar

    Uma reflexão sobre trajetórias profissionais, educacionais e políticas improváveis, mas que hoje são irreversíveis

    Sábado fui à praia. Estava lá, na pedra do Leme, folheando a última edição da Revista Empodere. Em menos de seis meses, foi a segunda vez que eu e minha história protagonizamos as páginas de uma revista de destaque. Enquanto me olhava na capa, sentindo o conforto de estar no lugar certo, do meu lado uma conversa. A mulher, enfática, comentava: “eu quero um Brasil só. No meu tempo não tinha nada disso de negro, viado. Essas coisas”. Minutos antes havíamos percebido uma à outra. Sorriso de canto de boca. Olhar de cumplicidade de quem nunca se viu, mas tem certeza de que se conhece. Com pensamentos opostos, não confrontados, éramos mulheres negras.

    Em meio a um processo eleitoral frenético, que divide o Brasil em dois grupos — convencidos e aqueles que precisam ser convencidos — sigo puxando os fios de minha memória. Lembro que na campanha eleitoral anterior foi bastante difícil conquistar a eleição de Dilma Rousseff. Recordo também que, naquele momento, as postagens em redes sociais apresentando trajetórias bem-sucedidas na educação, tais quais a minha própria, foram bastante significativas para sua vitória. Em 2018, essa estratégia mantém-se, mas se mostra insuficiente frente à força de mentiras como “ideologia de gênero”, o discurso anticorrupção e o “kit gay”, este último argumento, inclusive, desmentido pelo próprio Ministério da Educação.

    O movimento passado-presente é marcado por “histórias que a história não conta”. No Rio de Janeiro, o samba de 2019 da Estação Primeira de Mangueira traz uma linda homenagem à vereadora Marielle Franco. Acompanhando um cenário nacional, esse estado elegeu quatro mulheres negras como deputadas. No Nordeste, o muro da Universidade Regional do Cariri continua pintado com “Pátria Educadora”. Nos dias em que estive em Juazeiro do Norte, vi tantas enxadas, carroças e paredes de casas de pau a pique com a estrela vermelha. Fiquei impactada: água, comida e educação, “apenas”. Pausa para recordar a moça do Leme: “eu quero um Brasil só”. Já meu namorado defende a ideia de que o país se torne vários Brasis. Eu não sei (como é bom falar do que não sei). Independentemente da condição jurídica, não somos um único território. Menos ainda um só povo. Verdade aprendida na marra, na pior escola da vida. Os grupos de WhatsApp de amigos e familiares, um lugar de debates relevantes, mas também de adoecimento para toda a população.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Giovana Xavier é professora da Faculdade de Educação da UFRJ. Formada em história, tem mestrado, doutorado e pós-doutorado, por UFRJ, UFF, Unicamp e New York University. É idealizadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Intelectuais Negras. Em 2017, organizou o catálogo “Intelectuais Negras Visíveis”, que elenca 181 profissionais mulheres negras de diversas áreas em todo o Brasil.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.