Coluna

A quem devem responder os juízes?

Discussões recentes e ideológicas entre ministros no Supremo e divulgação de delação de Antonio Palocci pelo juiz Sergio Moro a seis dias das eleições expõem a politização indevida do Judiciário

Esta semana o Brasil assistiu ao papelão feito pelo nosso Poder Judiciário em diferentes níveis. A briga instalada dentro do Supremo Tribunal Federal sobre a liberação ou não da entrevista do ex-presidente Lula mostra as feridas abertas pela polarização da corte nos últimos anos. A discussão sobre liberdade de imprensa versus influência política não parece responder a diferenças sobre teses jurídicas e sim a motivações ideológicas. Em entrevista depois de sua decisão, o ministro Luiz Fux disse que “ao fazer valer a Constituição e decidir sobre questões morais e públicas, os ministros da corte devem observar os anseios da sociedade.” Mas juízes deveriam realmente tomar decisões observando anseios da sociedade no calor do momento?

Claudio Ferraz é professor da Vancouver School of Economics, na University of British Columbia, Canadá, e do Departamento de Economia da PUC-Rio. Ele é diretor científico do JPAL (Poverty Action Lab) para a América Latina. É formado em economia pela Universidade da Costa Rica, tem mestrado pela Universidade de Boston, doutorado pela Universidade da Califórnia em Berkeley e foi professor visitante na Universidade de Stanford e no MIT.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Exclusivo para assinantes

Tenha acesso a todo o nosso conteúdo, incluindo expressos, gráficos, colunistas, especiais, além de newsletters exclusivas com curadoria da redação. Apoie o jornalismo independente brasileiro de qualidade.
Assine o Nexo.