Coluna

Reflexões materialistas sobre a morte, e o que vem depois dela

    Eu bem que queria, mas não consigo acreditar em alma ou em espíritos. E sei muito bem que não viramos estrela quando morremos. Mas isso não significa que eu não possa crer – racionalmente – que a vida transcende a morte

    – Eu vou morrer, papai?

    A pergunta veio de sopetão, da minha filha de 3 anos. Eu sabia que ela viria um dia – e temia esse momento desde antes mesmo de ela nascer (medroso da morte que sou).

    Afinal, sou um sujeito materialista: cresci sem religião, aprendi cedo a amar a ciência. Na minha visão de mundo, não há espaço para a transcendência da alma. Aliás, não há alma. Aprendi a acreditar que nossa consciência emerge do funcionamento de nossas células, nossos órgãos, nossos tecidos. Quando esse funcionamento cessa, cessa a consciência também, uai.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Denis R. Burgierman é jornalista e escreveu livros como “O Fim da Guerra”, sobre políticas de drogas, e “Piratas no Fim do Mundo”, sobre a caça às baleias na Antártica. É roteirista do “Greg News”, foi diretor de redação de revistas como “Superinteressante” e “Vida Simples”, e comandou a curadoria do TEDxAmazônia, em 2010.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.