Coluna

Eloisa quer saber como faz para ser uma mulher negra forte sem precisar ser o tempo todo

    Toda imagem criada sobre nós, mulheres negras, são imagens de super heroínas que, de fato, nossas ancestrais foram

    Eu também não sei. Quem lê o título deste texto e não está por dentro da discussão sobre mulheres negras, vai pensar que ele está mal escrito. Mas é que essa oração tem uma carga forte de simbolismo. Se existisse um dicionário de sinônimos próprio de mulheres negras, ser "mulher negra" e "ter que ser forte o tempo todo" seriam a mesma coisa. Uma das primeiras coisas que nós, mulheres negras, aprendemos desde cedo é que não podemos fraquejar, que ser forte é parte essencial do que a gente precisa ser a vida inteira. Não importa o que aconteça. Não importa a nossa situação emocional. Levanta, anda e engole o choro.

    Um dos exemplos das consequências dessa "obrigatoriedade" da mulher negra ter que ser forte o tempo todo, é a pesquisa feita por Maria do Carmo Leal, Silvana Granado Nogueira da Gama e Cynthia Braga da Cunha, da Escola de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz. No estudo, elas descobriram que mulheres negras recebem menos anestesia do que mulheres brancas no parto.

    Por trás desse mito de que a mulher negra é guerreira, está a desumanização a que essas mulheres são submetidas, quando nem mesmo o direito de chorar é visto como possibilidade.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Yasmin Thayná é cineasta, diretora e fundadora da Afroflix, curadora da Flupp (Festa Literária das Periferias) e pesquisadora de audiovisual no ITS-Rio (Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro). Dirigiu, nos últimos meses, “Kbela, o filme”, uma experiência sobre ser mulher e tornar-se negra, “Batalhas”, sobre a primeira vez que teve um espetáculo de funk no Teatro Municipal do Rio de Janeiro e a série Afrotranscendence. Para segui-la no Twitter: @yasmin_thayna

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.