Coluna

Abrir a economia pode reduzir a corrupção?

    O atual modelo de política comercial, além de fazer o cidadão comum pagar os lucros de empresários improdutivos, garante um mercado fechado que induz uma relação público-privada, no mínimo, turva

    O fenômeno da corrupção tem muitas ramificações. No Brasil, a operação Lava Jato evidenciou que a forma como as empresas se relacionam com o setor público, e vice-versa, parece ser um dos principais determinantes da corrupção. O relacionamento público-privado marcado pela promiscuidade tem diferentes raízes, inclusive o fechamento histórico da economia brasileira em relação ao mundo.

    Humberto Laudares é especialista em políticas públicas e desenvolvimento. É Ph.D em Economia pelo Graduate Institute, em Genebra (Suíça), e mestre pela Universidade Columbia (Estados Unidos). Fez Ciências Sociais na USP e Administração na FGV de São Paulo. Trabalhou com políticas públicas em governos, no parlamento e em organismos internacionais. Para acompanhar sua página no Facebook: www.facebook.com/laudares

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Exclusivo para assinantes

    Tenha acesso a todo o nosso conteúdo, incluindo expressos, gráficos, colunistas, especiais, além de newsletters exclusivas com curadoria da redação. Apoie o jornalismo independente brasileiro de qualidade.
    Assine o Nexo.