Coluna

Payday!

    Um tema de malodoríficas e hilárias memórias pessoais

    Flanando pela internet numa manhã chuvosa de segunda-feira, só pra me desenfadar um pouco desses tempos chatonildos de crise, topei com um curioso artigo de autoria de uma tal de Linda Rodriguez, no site Atlas Obscura, sobre uma antiga linhagem de performers que usavam o flato intestinal controlado como meio de expressão artística diante de platéias, muitas delas aristocráticas, que se escangalhavam de rir. Conhecidos como "flatulistas," eles tinham o "dom" de puxar o ar para o reto e liberá-lo usando os esfíncteres a seu bel prazer. 

    O primeiro flatulista mencionado é um tal de Rolando, o Peidorreiro, famoso bufão que divertia a corte do rei Henrique II da Inglaterra, no século 12, com seus traques emitidos com preciso timing de comédia. O rei se desopilava tanto com a arte anal de Rolando que lhe concedeu um pequeno palácio e 100 acres de terras. Temos aí o exemplo perfeito de ascenção social propulsionada por flatos intestinais "artísticos".

    Em seu artigo, Linda Rodrigues menciona outros famosos peidorreiros performáticos de toda parte do mundo, até da requintada França, país onde, em fins do século 19, o célebre Monsieur Pujol, autointitulado "O Peidômano" (Le Pétomane), se exibia no Moulin Rouge com um show de flatos de 90 minutos de duração, no qual apagava velas, "assobiava" trechos de músicas famosas e até tocava uma cornetinha. 

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Reinaldo Moraes estreou na literatura em 1981 com o romance Tanto Faz (ed. Brasiliense) Em 1985 publicou o romance Abacaxi (ed. L&PM). Depois de 17 anos sem publicar nada, voltou em 2003 com o romance de aventuras Órbita dos caracóis (Companhia das Letras). Seguiram-se: Estrangeiros em casa (narrativa de viagem pela cidade de São Paulo, National Geographic Abril, 2004, com fotos de Roberto Linsker); Umidade (contos , Companhia das Letras, 2005), Barata! (novela infantil , Companhia das Letras, 2007) , Pornopopéia (romance , Objetiva, 2009) e O Cheirinho do amor (crônicas, Alfaguara, 2014). É também tradutor e roteirista de cinema e TV.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.