Coluna

Ouvindo coisas

    ‘Eu sei o quanto é difícil encaixar na sua percepção humana que você se encontra agora falando com Deus’, dizia a voz. ‘Difícil de engolir, reconheço. Mas é exatamente o que está acontecendo neste exatíssimo momento: você está em contato direto com o supremo ser divino que rege essa bagunça cósmica chamada de universo.’

    Todo andarilho costuma falar sozinho. Pode até tomar cuidado pra não labializar as palavras e passar por louco nas ruas. Mas batendo calçadas, trilhando picadas, se embrenhando pelo mato, ou deixando suas pegadas fugazes na areia de uma extensa praia, há sempre um intenso diálogo rolando na cabeça do andarilho, também chamado de flâneur quando a andança é meramente lúdica, aleatória e sem destino preciso.

    A mente humana, em certas circunstâncias, pode se multiplicar em muitas, talvez infinitas vozes, todas defendendo pontos de vista diferentes e, não raro, antagônicos. Na minha cabeça, pelo menos, esse fenômeno chegou a tal ponto que eu já não sei mais dizer se todas essas vozes são desdobramentos da minha própria voz original, ou se uma ou outra voz que se faz ouvir nessa assembléia mental não está vindo de fora, de longe, de outra dimensão, quem sabe.

    Tento aqui reproduzir mais ou menos uma dessas vozes que se fez ouvir na minha cachola viajandona enquanto eu caminhava pela avenida Paulista dia desses. Ao passar em frente à Fiesp, bastião do conservadorismo burguês da nação e epicentro das manifestações antidilmistas desde meados de 2013, a voz, masculina, pediu licença e me disse:

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Reinaldo Moraes estreou na literatura em 1981 com o romance Tanto Faz (ed. Brasiliense) Em 1985 publicou o romance Abacaxi (ed. L&PM). Depois de 17 anos sem publicar nada, voltou em 2003 com o romance de aventuras Órbita dos caracóis (Companhia das Letras). Seguiram-se: Estrangeiros em casa (narrativa de viagem pela cidade de São Paulo, National Geographic Abril, 2004, com fotos de Roberto Linsker); Umidade (contos , Companhia das Letras, 2005), Barata! (novela infantil , Companhia das Letras, 2007) , Pornopopéia (romance , Objetiva, 2009) e O Cheirinho do amor (crônicas, Alfaguara, 2014). É também tradutor e roteirista de cinema e TV.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.