Coluna

O samba mandou me chamar

    O dia seguinte, sábado, prometia. Uma enxurrada de blocos iria rolar por todos os pontos cardeais da cidade. É nóis, pensei

    Sexta-­feira de carnaval: ignorei o samba. Tive um dia pesado de trabalho e não pretendia gastar minhas últimas reservas energéticas saracoteando num bloco, apesar de um deles, o "Me edita que eu gosto", me interessar particularmente. Mas a concentração estava marcada pras 5 da tarde, horário em que eu ainda estava concentrado justamente num texto que deverá ser editado em breve por uma editora que­ — coincidência máxima! — ­­fica bem na rua em que o bloco iria dar a partida, a rua Bandeira Paulista, no Itaim Bibi. O "Me edita que eu gosto" reúne editores, autores, ilustradores, funcionários de editoras, de um modo geral, e, claro, leitores, sem os quais a galera do mundo dos livros não teria como pagar o leitinho das crianças. A marchinha-tema do bloco, foi, a propósito, composta pelo editor e escritor Leandro Sarmatz, da Companhia das Letras, junto com Vico Piovani.

    O Leandro eu conheço bem, pois foi colega da minha mulher, que trabalhou na Companhia como editora por duas décadas. Li também alguns contos dele, abordando histórias de judeus e seus descendentes no Brasil. O Leandro, que também é poeta, vive imerso em literatura e nesses dias de carnaval se deixa absorver até a última serpentina pela folia. A marchinha que ele compôs com seu parceiro tem o seguinte refrão:

    "Palavra que eu sou apaixonado / Não viro a página dessa emoção / O meu amor já vem todo editado / A minha orelha vai ganhar seu coração." Palavra, página, orelha (de livro) ­—­ estão aí os elementos básicos do ofício de editor. Com o auxílio luxuoso dum pandeiro, duma cuíca e de um tamborim, virou um sambinha sestroso.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Reinaldo Moraes estreou na literatura em 1981 com o romance Tanto Faz (ed. Brasiliense) Em 1985 publicou o romance Abacaxi (ed. L&PM). Depois de 17 anos sem publicar nada, voltou em 2003 com o romance de aventuras Órbita dos caracóis (Companhia das Letras). Seguiram-se: Estrangeiros em casa (narrativa de viagem pela cidade de São Paulo, National Geographic Abril, 2004, com fotos de Roberto Linsker); Umidade (contos , Companhia das Letras, 2005), Barata! (novela infantil , Companhia das Letras, 2007) , Pornopopéia (romance , Objetiva, 2009) e O Cheirinho do amor (crônicas, Alfaguara, 2014). É também tradutor e roteirista de cinema e TV.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.