Coluna

Na cratera

    Temas

    Vale a pena vencer os 35 kms que separam o centro de São Paulo de Vargem Grande pra conhecer a famosa ‘Cratera de Colônia’

    Uns dizem que foi há 5,2 milhões de anos. Outros juram de pé junto que foi bem antes: há 25 ou ainda há 36,4 milhões de anos. Em todo caso, o fato, sucedido entre o Pleistoceno e o Oligoceno, se não mesmo no Mioceno, e comprovado por estudos geomorfológicos preliminares, é que, no sul do que é hoje o município de São Paulo, no distrito de Parelheiros, caiu um bagulhão do céu que abriu no terreno uma cratera de quase 4 quilômetros de diâmetro e 400 metros de profundidade, hoje preenchida por colunas de sedimentos e turfa. O impacto do meteorito, de estimados 200 metros de diâmetro, liberou uma energia equivalente a de muitas bombas de Hiroshima — uma dezena, três dezenas ou ou 5 mil bombas atômicas, segundo as várias estimativas disponíveis. A cratera está lá em Parelheiros, visibilíssima a olho nu, circundada por um anel de até 125 metros acima da sua planície central.

    Nenhuma forma de vida animal teria sobrevivido a um cataclismo dessa magnitude num raio de de 100 a 200 quilômetros em volta, sempre de acordo com o grau de catastrofismo de quem dá o chute supostamente científico. Hoje, lá em Parelheiros, por conta de outro impacto, este de ordem sócio-política, o risco de um homem com idade entre 15 e 24 anos morrer assassinado é 21 vezes maior do que em Pinheiros, bairro nobre na Zona Oeste, pelo que nos informa a Fundação Seade. Na época da queda do meteorito, não havia ainda seres humanos pra serem assassinados. Hoje 40 mil almas habitam semi-clandestinamente a área circular de 10 km² da cratera, formando um típico bairro de periferia da zona sul paulistana, batizado de Vargem Grande, subdistrito de Parelheiros com abundância de mata atlântica em volta e um monte de problemas sociais dentro dele, um deles sendo justamente a violência urbana.

    Mesmo assim, vale a pena vencer os 35 kms que separam o centro de São Paulo de Vargem Grande pra conhecer a famosa "Cratera de Colônia". como ficou conhecida a estrutura geológica resultante do impacto do meteorito. O termo Colônia faz referência a uma comunidade de imigrantes alemães que se fixou perto dali, em 1829. Além do bairro em si e de seus habitantes, eles também imigrantes, só que de outras regiões pobres do nosso país, você pode visitar ali uma extensa área de proteção ambiental, com mata nativa, trilhas, cachoeiras, aldeias de índios guaranis e até um CDP (Centro de Detenção Provisória), dominado pelo PCC, agremiação criminosa responsável pela recente e relativa pacificação do bairro, que já viveu dias tristes de intenso bangue-bangue urbano, por conta de guerras de traficantes. Pelo menos é o que afirma um líder comunitário ali do pedaço com quem conversei. "Por aqui, tá tudo dominado", ele assegura.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Reinaldo Moraes estreou na literatura em 1981 com o romance Tanto Faz (ed. Brasiliense) Em 1985 publicou o romance Abacaxi (ed. L&PM). Depois de 17 anos sem publicar nada, voltou em 2003 com o romance de aventuras Órbita dos caracóis (Companhia das Letras). Seguiram-se: Estrangeiros em casa (narrativa de viagem pela cidade de São Paulo, National Geographic Abril, 2004, com fotos de Roberto Linsker); Umidade (contos , Companhia das Letras, 2005), Barata! (novela infantil , Companhia das Letras, 2007) , Pornopopéia (romance , Objetiva, 2009) e O Cheirinho do amor (crônicas, Alfaguara, 2014). É também tradutor e roteirista de cinema e TV.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.