Coluna

Mulheres na praia - <br/> parte II

    Zoca revela suas aventuras com um presidiário para as madames paulistanas, Mári e Lili, debaixo de uma tendinha chique

    Na semana passada, o bravo e diligente leitor desta coluna, com saco pra ler textos longos na internet, deparou-se com um expediente algo raro entre cronistas, que é o de subdividir uma crônica em dois "capítulos," como num folhetim. A crônica desta semana, portanto, é continuação da anterior, perpetrada ainda em 2015, um ano pra se esquecer, na opinião de muitos.

    A minha bizarrice, contudo, tem pelo menos um precedente ilustre: a crônica "A Borboleta Amarela," do grande Rubem Braga, que é, um dos dois maiores escritores brasileiros de todos os tempos, notabilizado na crônica de jornal e revista como modalidade de alto rendimento literário. O célebre texto da borboleta amarela foi publicado em nada menos que três etapas, em 1952, no extinto jornal carioca Correio da Manhã. Eu, de minha parte, me darei por satisfeito com apenas duas etapas, sendo esta, portanto, a segunda e última.

    Só pra lembrar, naquelas três crônicas, o velho Braga, a pretexto de seguir o voo errático de uma borboleta, fazia um inventário poético da paisagem física e humana da região central do Rio, com seus edifícios clássicos, como o da Biblioteca Nacional, seus logradouros públicos com namorados e solitários nos bancos de jardim, e suas movimentadas ruas e avenidas. Rubem Braga até acha espaço, na segunda crônica, pra contar uma divertida história protagonizada pelo escritor Lúcio Cardoso, que não vou reproduzir aqui, pois tenho pra mim que, ao terminar de ler este parágrafo, ou mesmo antes disso, você correrá pros braços de mr. Google pra achar as crônicas da borboleta amarela do genial cronista capixaba.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Reinaldo Moraes estreou na literatura em 1981 com o romance Tanto Faz (ed. Brasiliense) Em 1985 publicou o romance Abacaxi (ed. L&amp;PM). Depois de 17 anos sem publicar nada, voltou em 2003 com o romance de aventuras Órbita dos caracóis (Companhia das Letras). Seguiram-se: Estrangeiros em casa (narrativa de viagem pela cidade de São Paulo, National Geographic Abril, 2004, com fotos de Roberto Linsker); Umidade (contos , Companhia das Letras, 2005), Barata! (novela infantil , Companhia das Letras, 2007) , Pornopopéia (romance , Objetiva, 2009) e O Cheirinho do amor (crônicas, Alfaguara, 2014). É também tradutor e roteirista de cinema e TV.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.