Coluna

Epifania

    E o que acontece? Nada de muito significativo. O remédio a faz tirar o pé da cova, e é só. Ela vai levando, mal e porcamente, mas vai levando. Afinal, já está acostumada a viver dentro de uma nuvem cinzenta. O psiquiatra chama isso de distimia. Ela chama de ‘a-vida-como-ela-é’

    Ela não tem muito mais que 30 anos. Um primeiro rótulo parece lhe caber muito bem: hiperativa. Ela fala ao celular, liga a tevê, acha uma música no iPod, ouve um pouco essa música, acha outra, pesca seus e-mails no computador, lê trechos de um livro, troca um vaso de lugar, discute com a pessoa com quem fala no celular, volta o vaso pro mesmo lugar em que estava antes, pede licença ao interlocutor telefônico pra responder mensagens de whatsapp, volta a falar no celular, que desliga depois de um minuto falando.

    Tenta relaxar, mas a ansiedade que sente não lhe dá trégua. Cruza e descruza as pernas várias vezes. Sentada, não sabe o que fazer com aquelas pernas que Deus lhe deu. Estala os dedos, mesmo tendo lido em algum lugar que isso faz mal pras articulações. Daí, se levanta. Daí, senta de novo. E se levanta. Dá uns passos até a janela. Mal contempla a paisagem de prédios aglomerados que se descortina dali, e já volta a se sentar diante do notebook. Apanha o celular e manda uma mensagem de “zap-zap” pra alguém.

    Horas depois, lá está ela deitada no divã do psicanalista. Não encontra o que dizer. O homem, atrás dela, afundado em sua poltrona, apenas testemunha o silêncio amargurado da paciente.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Reinaldo Moraes estreou na literatura em 1981 com o romance Tanto Faz (ed. Brasiliense) Em 1985 publicou o romance Abacaxi (ed. L&PM). Depois de 17 anos sem publicar nada, voltou em 2003 com o romance de aventuras Órbita dos caracóis (Companhia das Letras). Seguiram-se: Estrangeiros em casa (narrativa de viagem pela cidade de São Paulo, National Geographic Abril, 2004, com fotos de Roberto Linsker); Umidade (contos , Companhia das Letras, 2005), Barata! (novela infantil , Companhia das Letras, 2007) , Pornopopéia (romance , Objetiva, 2009) e O Cheirinho do amor (crônicas, Alfaguara, 2014). É também tradutor e roteirista de cinema e TV.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.