Coluna

Deus salve as bruxas

    Temas

    O quanto do sentimento demonizador presente em 'A Bruxa' não está sendo carreado hoje no Brasil

    Das coisas que me trazem mais felicidade em Sampa é pegar uma tela no fim da tarde. Entrar numa sala escura de dia e voltar pra rua com a noite já rondando a cidade é pura magia pra mim. Nesse meio tempo, a bruxuleante luz da projeção sobre a tela branca opera a substituição da nossa realidadezinha de cada dia por outra que pode ser bem distante dela no contexto histórico e na geografia física e humana, quando não é absolutamente fantástica, futurista e delirante. Ou pesadelesca, como num bom filme de terror, caso de "A bruxa," filmaço de terror cult em cartaz em São Paulo que eu indico de olhos bem abertos tanto aos admiradores do gênero quanto aos que costumam lhe virar as costas.

    Fui ver "A bruxa", deslumbrante primeiro filme do jovem diretor americano Robert Eggers, bem no Dia Internacional da Mulher, por mero acaso, se é que as forças mais sombrias do inconsciente coletivo não agiram ali para provocar a coincidência. Desgraçadamente, eu tinha lido naquele mesmo dia uma crítica de jornal em que o luminar que a assinava houve por bem entregar o principal segredo da trama, do tipo "whodunnit", o que é uma vasta sacanagem. Ok, o próprio título do filme sugere que a pessoa endemoniada deve ser uma mulher, embora não necessariamente, como até o espectador pode muito bem especular até quase o fim da história. De qualquer forma, há pelo menos 3 mulheres no elenco candidatas ao posto. Então, cala-te boca.

    Se você ainda não viu "A bruxa", fique sussa. Eu não vou revelar quem é a/o personagem do filme imbuída/o da malignidade diabólica responsável pela sucessão de infortúnios que assola uma família de imigrantes puritanos ingleses por volta de 1630, na Nova Inglaterra, a ponta extrema do nordeste americano dividida num punhado de pequenos mas importantes estados. William, o patriarca dessa família, vivido pelo inglês Ralph Ineson, é um puritano tão extremado que consegue ser expulso da pequena comunidade de puritanos um pouco mais tolerantes que se estabeleceu na região. Como ele, são todos colonos britânicos fugidos das ferozes perseguições religiosas promovidas pela Igreja Anglicana, liderada pelo rei em pessoa à época.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Reinaldo Moraes estreou na literatura em 1981 com o romance Tanto Faz (ed. Brasiliense) Em 1985 publicou o romance Abacaxi (ed. L&PM). Depois de 17 anos sem publicar nada, voltou em 2003 com o romance de aventuras Órbita dos caracóis (Companhia das Letras). Seguiram-se: Estrangeiros em casa (narrativa de viagem pela cidade de São Paulo, National Geographic Abril, 2004, com fotos de Roberto Linsker); Umidade (contos , Companhia das Letras, 2005), Barata! (novela infantil , Companhia das Letras, 2007) , Pornopopéia (romance , Objetiva, 2009) e O Cheirinho do amor (crônicas, Alfaguara, 2014). É também tradutor e roteirista de cinema e TV.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.