Coluna

Decifra-me ou te devoro

    As dificuldades atuais não decorrem de uma crise cíclica, em que medidas de ajuste de curto prazo permitem a retomada do crescimento

    A crise fiscal dominou o debate econômico este ano. Suas causas, porém, são bem mais antigas e suas consequências, graves para os próximos anos.

    A despesa pública no Brasil tem crescido sistematicamente a uma taxa mais elevada do que a renda nacional nas últimas décadas, e resultou na progressiva deterioração fiscal a partir de 2010, com déficit primário desde o ano passado, processo que foi pouco transparente pelos critérios adotados para a contabilização de diversas despesas públicas. Apesar da tentativa recente de ajuste fiscal, as despesas obrigatórias continuam a crescer, concomitante a uma queda expressiva da receita, e devemos ter um novo déficit este ano.

    Déficits primários ocorrem nas economias de mercado assim como a desaceleração da atividade econômica. Nossa dificuldade, porém, é bem mais severa. A continuar a trajetória de aumento do gasto público obrigatório maior do que o da renda, o país enfrentará um difícil dilema: expandir continuamente a carga tributária ou financiá-lo com o aumento da dívida pública como proporção do PIB. Ambas as soluções são insustentáveis no médio prazo.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Marcos Lisboa é presidente do Insper, Ph.D. em economia pela Universidade da Pensilvânia. Atuou como professor assistente no Departamento de Economia da Universidade de Stanford e da EPGE/FGV. Foi secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda e presidente do Instituto de Resseguros do Brasil. Diretor executivo do Itaú-Unibanco, entre 2006 e 2009, e vice-presidente até 2013.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.