Como viver ‘feliz para sempre’ e sem um príncipe encantado

Vamos lá: Moana começa e termina o filme sem namorado. Além disso, não precisa romper com a família para se afirmar. Também não é obrigada a transformar o semideus, Maui, em humano (e assim se casar com ele). Tampouco ocorre o oposto: ela não abre mão do seu mundo para entrar no dele

Sobre o visível e invisível

Fotografias, pinturas, gravuras, desenhos têm a capacidade de fixar e de transformar em estereótipo parado no tempo, o que nada tem de óbvio ou estável. Fazem mais: escondem o ruído e passam a sensação de que tudo está em seu lugar e onde há de sempre estar

Ver todas as colunas

Eu é um outro

Confesso que gostei desse ‘Rei’, talvez devido às tendências absolutistas do meu psiquismo profundo. Foi um alívio quando o Rei assumiu o poder, destronando o incômodo Reinaldo e o excessivamente infantil Reinaldinho

Carnaval no toalete

Vanusa e Alaíde conversam no banheiro feminino de um bar chique de descolados bem de vida a meia quadra da Paulista

Evoluindo no bistrô

Não sei o que a dra. Leleca, paleontóloga de bistrô, vai responder, mas logo me vêm à cabeça tipos como Trump e Bolsonaro, provas vivas de que a seleção natural ainda tem muito chão pela frente

Ver todas as colunas

Ver todas as colunas

Ver todas as colunas

Marcos Lisboa

(colunista até agosto de 2016)

Ver todas as colunas