Qual é a situação da fome nos países da América do Sul

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

 

Esta pesquisa, realizada na Universidade Federal de Uberlândia, investiga as principais causas da fome na América do Sul, as políticas públicas de combate à subnutrição na região e a relação entre desenvolvimento, pobreza e segurança alimentar. 

Entre as conclusões, a autora do estudo destaca que não há correlação direta e perfeita entre as três variáveis: países que ocupam posições mais altas no ranking de IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), por exemplo, não necessariamente apresentam os menores índices de subnutrição. E baixos níveis de subnutrição podem ser verificados em regiões com número elevado de pessoas em situação de extrema pobreza.

A que pergunta a pesquisa responde?

Quais são as principais causas da pobreza e da fome na América do Sul? De que forma o combate à pobreza e as políticas públicas têm impactado os países da região?

Por que isso é relevante?

Pelos profundos impactos individuais e sociais, a fome é um dos problemas mais relevantes que a humanidade enfrenta, e ocorre mesmo em contextos de riqueza material e produção suficiente de alimentos no mundo. Assim, entender a complexidade da questão se faz fundamental para traçar caminhos para superá-la. A América do Sul foi a região que apresentou os melhores resultados no combate à fome desde o estabelecimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio pela ONU (2000-2015). Contudo, esses resultados foram possíveis apenas diante de uma conjugação bastante favorável de fatores. Dados mais recentes (2015-2018) já mostram grandes retrocessos diante da crise que abala a região, especialmente na Venezuela, mas também na Argentina, Brasil e, em menor grau, nos demais países. Assim, entender os bons resultados do quinquênio anterior é urgente para que possamos minimizar os efeitos dos atuais retrocessos.

 

Resumo da pesquisa

Pautado na emergência e importância do problema da fome no mundo, o estudo busca entender os conceitos e relações de desenvolvimento, pobreza e segurança alimentar na América do Sul – uma das regiões que apresentou os melhores resultados no combate à fome nas últimas décadas. Pelo prisma do desenvolvimento humano, pretende-se entender se há relação direta e inequívoca entre as três variáveis.

Pobreza e fome são dois problemas distintos, com complexidade e peculiaridades próprias. A pobreza, como já há muito se discute, não pode mais ser analisada apenas pelo prisma da renda, tendo em vista que se trata de um fenômeno multidimensional que engloba uma variedade enorme de fatores. Fome, por sua vez, se manifesta de muitas outras formas além da sua forma aguda, que seria a completa inanição do indivíduo. Fenômeno ainda mais preocupante é o da "fome oculta", que decorre da falta de micronutrientes necessários à saúde e permite que grupos inteiros de populações morram lentamente de fome, apesar de comerem todos os dias.

Assim, a condição de segurança alimentar passa pela produção e o acesso da população a alimentos seguros, nutritivos, sadios, que guardem vínculo cultural com a sociedade. E não basta apenas a oferta de alimentos e as possibilidades de acesso a ele – é necessária uma conjunção de fatores que permitam a boa utilização nutricional desse alimento, bem como a estabilidade da oferta, do acesso (que pode ter restrição física ou monetária) e das condições de utilização desses produtos.

Dessa forma, são apresentados os conceitos e suas particularidades e dados ilustrativos da situação da América do Sul. Adentrando no entendimento de segurança alimentar, o trabalho analisa não apenas esse conceito, mas apresenta os resultados dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e debates a respeito do Direito Humano à Alimentação Adequada e do modus operandi dos mercados agrícolas – duas questões em disputa e que estão na estrutura da reprodução do problema. Além disso, a dissertação também apresenta uma análise das políticas públicas realizadas pelos países da região, visando a solucionar o problema da fome.

 

Quais foram as conclusões?

O objetivo era, além de entender os fatores relevantes de cada uma das dimensões da segurança alimentar na região, evidenciar as relações existentes entre desenvolvimento, pobreza e segurança alimentar na América do Sul. Em suma, as conclusões foram:

A) Não há correlação direta e perfeita entre esses dados, visto que países com menor PIB per capita, como a Argentina (país que mais possui políticas públicas de Segurança Alimentar e Nutricional), puderam alcançar os melhores resultados em IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) e subnutrição e vice-versa;

B) Países com maior IDH nem sempre eram os países com menor subnutrição;

C) O fenômeno da segurança alimentar é um tema com complexidade própria e não equivale ao combate da pobreza;

D) Os rankings entre as duas variáveis também apresentaram diferenças, mostrando que podemos alcançar baixos níveis de subnutrição ainda reportando número mais elevado de pessoas extremamente pobres;

E) A métrica da pobreza extrema de cunho monetarista não capta todas as dimensões existentes no fenômeno da insegurança alimentar e desconsidera especificidades importantes da população do meio rural,  ambiente da criação de alimentos e em que vivem a maior parte dos famintos do mundo.

Quem deveria conhecer seus resultados?

Os resultados da pesquisa devem ser conhecidos não apenas pelos gestores públicos, que traçarão caminhos para solucionar o problema, mas também toda a sociedade deve estar consciente do que se trata segurança alimentar, da sua complexidade, e de quais são os fatores e políticas relevantes para seu enfrentamento. Apesar de o questão estar subordinada a decisões da esfera econômica, é necessária e urgente  a participação da sociedade civil no combate à fome.

 

Ludmila Luísa Tavares e Azevedo tem graduação e mestrado  em economia pela Universidade Federal de Uberlândia.É doutoranda em economia pela Universidade de Brasília.

Referências:

  • BURITY, V., FRANCESCHINI, T., VALENTE, F., RECINE, E., LEÃO, M.,CARVALHO, M. F. Direito à alimentação adequada no contexto da segurança alimentar e nutricional. Brasília: ABRANDH, 2010. Disponível em: http://www.redsan- cplp.org/uploads/5/6/8/7/5687387/dhaa_no_contexto_da_san.pdf\u0000

  • CASTRO, Josué de. Geopolítica da Fome: Ensaio sobre os problemas de alimentação e de população, 1965. São Paulo: Editora Brasiliense, 1965.

  • FAO. Food Security Indicators, 2016.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.