Ir direto ao conteúdo

Qual a realidade social de jovens enquadrados na categoria ‘nem-nem’

 

Esta pesquisa, realizada na UFPR, investiga o perfil da parcela de jovens brasileiros que não estuda e também não trabalha. Segundo dados do IBGE de 2013, ela representa 28% da população entre 15 e 29 anos em alguns estados do país.

Entre as conclusões, a autora destaca que a subcategoria “nem-nem” é inadequada por não refletir a realidade social desses jovens, que estão em situação de vulnerabilidade.

A que pergunta a pesquisa responde?

A pesquisa investigou se o jovem que aparece nas estatísticas como “não trabalha, nem estuda” de fato está inativo e não cumpriu com o ensino obrigatório, e se esta é uma situação que junta desemprego e evasão escolar ou é estruturalmente vulnerabilidade social – com outras carências além da falta de trabalho e educação . A problemática central enfrentada no estudo foi a pertinência da subcategoria “nem-nem” e sua convergência com a subcategoria “vulnerabilidade social juvenil”.

A classificação “nem-nem” se sustenta frente às políticas públicas de educação e trabalho para juventude e ao conceito de trabalho definido pela Organização Internacional do Trabalho? Para elucidar essas questões, foi realizado um estudo de caso com jovens usuários do programa Portal do Futuro em Curitiba, no Paraná.

Por que isso é relevante?

As pesquisas realizadas pelos órgãos oficiais de estatísticas no Brasil apresentam números alarmantes de jovens que supostamente não trabalham nem estudam, chegando em alguns estados brasileiros à casa dos 28% da população na faixa de 15 a 29 anos. A relevância desta investigação está em produzir, por meio de um estudo qualitativo, dados fidedignos à realidade social dos jovens que estão fora do mercado de trabalho e do ensino regular, possibilitando assim a construção de ações e políticas públicas de juventude que respondam com mais eficácia e eficiência às necessidades dos jovens. Acima de qualquer outra contribuição, a relevância desta pesquisa se nota no combate ao estigma de “vadio” imposto a esses jovens pela subcategoria “nem-nem”.

Resumo da pesquisa

“Nem-nem”, no senso comum, é um jovem que nem estuda nem trabalha. No senso douto, representa uma subcategoria de análise da juventude. Mas será que esse jovem, de fato, não estuda e não trabalha? A pesquisa investigou o que o “nem-nem” faz com o seu tempo e como ocupa o espaço destinado aos jovens nas unidades Boqueirão e Cajuru do Portal do Futuro, em Curitiba. O objetivo foi de desconstruir o estigma de “jovem vadio” imposto por essa subcategoria e saber se, e de que forma, esse programa de política pública inclui o “nem-nem”.

A metodologia de pesquisa utilizada foi a quantiqualitativa, com realização de estudo de caso, aplicação de questionários, entrevistas individuais e reunião de grupo focal, além de observação participante. Os resultados mostram que a subcategoria “nem-nem” é fictícia, uma maquiagem sobre outras formas de exclusão social juvenil, e que os jovens “nem-nem” não estão inativos, eles estudaram o ensino obrigatório e se ocupam com afazeres que não são quantificados devido ao conceito de trabalho adotado ou a equívocos na matriz analítica utilizada em pesquisas anteriores realizadas sobre o tema.

Quais foram as conclusões?

A conclusão a que chegamos com a investigação é a de que a subcategoria “nem-nem” é inadequada e não reflete a realidade social dos jovens brasileiros que se encontram fora do mercado formal de trabalho e do ensino médio ou superior. Ela joga sobre o jovem um estigma de desinteressado e vadio, quando na realidade ele é um vulnerável, vítima da pobreza estrutural e do abandono do estado. Ele não alcança a expectativa traçada pela sociedade sobre sua trajetória educacional e laboral pois ela reflete um modelo de classe média que não condiz com as condições ofertadas ao jovem dos décimos mais pobres da população brasileira. O que falta a esse jovem não é apenas emprego formal e ensino regular, mas toda uma estrutura socioeconômica — alimentação, saúde, transporte, educação, segurança e emprego dignos. Esse jovem não é um “nem-nem”, é um jovem em situação de vulnerabilidade. Há, sim, uma taxa em torno de 8% de adolescentes menores de 15 anos que não estudam e não trabalham,  mas não são “nem-nem”. Isto porque não se enquadram na categoria juventude, que considera jovens entre 15 e 29 anos, e são proibidos de trabalhar por lei. Essa taxa é de evasão escolar.

Quem deveria conhecer seus resultados?

Os governantes e as empresas precisam conhecer a realidade do jovem vulnerável a fim de desenvolverem postos de trabalho e de qualificação profissional que sejam adequados às suas necessidades. Contribuirão, assim, para a quebra do ciclo da pobreza e para uma sociedade mais igualitária, com maior justiça social. Essa pesquisa teve por objetivo dar uma pequena contribuição nesse sentido.

 

Roseli Bregantin Barbosa atuou como professora na Educação de Jovens e Adultos, ministrou as cadeiras de filosofia e direito em cursos de administração e direito. Possui graduação em direito pela Fundação Universidade Regional de Blumenau e pós-graduaçãoem direito societário e empresarial pela Faculdade de Ciências Sociais de Florianópolis . É habilitada em docência do ensino superior. Advogada, atua na área jurídica há mais de 10 anos. Cursou mestrado em sociologia  na Universidade Federal do Paraná, onde faz doutorado em sociologia.

Referências:

  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

  •  _______.  Emenda Constitucional nº 20/1998. Brasília: 2016.

  • _______. Emenda Constitucional nº 59/2009. Brasília: 2009.

  •  _______. Lei nº 12.852/13 – Estatuto da Juventude. Planalto. Brasilia, 2013.

  • CARDOSO, Adalberto. Juventude, Trabalho e Desenvolvimento: elementos para uma agenda de investigação. Caderno CRH, Salvador, v. 26, nº 68, p. 293-314, 2013.

  • CURITIBA. Câmara Municipal. Decreto municipal nº 452/2013. Institui o Portal do Futuro.

  • GOFFMAN, Erving. Estigma -Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LCT, 2004.

  • IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilio: Síntese dos Indicadores Sociais, 2013.

  • ______. Síntese dos Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

  •  IPEA. Atlas da vulnerabilidade social nos municípios brasileiros, 2015.

  • QUIVY, Raymond. CAMPENHOUDT, Luc Van. Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva, 1988.

  • OIT. 19ª CIET – Conferência Internacional de Estatísticos do Trabalho, 2013. Genebra, 2013.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: