Tese - A entoação do dialeto caipira do Médio Tietê: reconhecimento, características e formação

Autora

Rosicleide Rodrigues Garcia

Lattes

Orientador

Waldemar Ferreira Netto

Área e sub-área

Fonologia, Dialetologia e Sociolinguística

Defendida em

Universidade de São Paulo, Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas 09/06/2015

Link para o original

 

Este estudo busca compreender se a fala do dialeto caipira é de fato muito diferente do chamado português padrão, aquele utilizado nos meios de comunicação. A tese analisou a entoação de idosos com baixo grau de escolaridade moradores da região paulista do Médio Tietê para observar se existe alguma especificidade nesse dialeto frequentemente estigmatizado.

Ao comparar a fala caipira com a fala dos índios guatós, guaranis paraguaios e de idosos do norte de Portugal, verificaram-se semelhanças entre eles em relação ao tom final da fala. A partir dessa pesquisa, a autora conclui que a escolaridade é responsável pela mudança entoacional da fala de uma pessoa, independentemente de sua cultura ou região.

A qual pergunta a pesquisa responde?

A fala do dialeto caipira é bastante estigmatizada nos programas de TV, piadas e afins, por isso nascem as questões: ela é tão diferente? E o que a diferenciaria? Por causa dessa peculiaridade, já em 1920, um importante autor e pesquisador, Amadeu Amaral, lançou a sua obra "O dialeto caipira" — primeiro estudo dialetológico brasileiro — e classificou o falar caipira como "lento, plano ou igual e sem inflexões". Como esse estudo foi realizado de maneira intuitiva, ou seja, o autor escreveu o que ouvia e compreendia, foi notado que era necessária uma pesquisa utilizando ferramentas mais precisas, de modo a dizer o que diferencia, ou não, a entoação do dialeto caipira de demais falares. Logo, esta pesquisa não buscou determinar o som das palavras, mas como elas acontecem. E, ao ser realizada, notou-se que os entrevistados produziam elementos semelhantes a dados já coletados em análises com os índios guatós e dos guaranis paraguaios, o que levantou outra questão: haveria influência indígena na entoação caipira?

Por que isso é relevante?

O dialeto caipira possui peculiaridades importantes de serem estudadas, de modo a não apenas saciar a curiosidade de se compreender o motivo de ele ser diferenciado, mas, com os exemplos apresentados, entendermos o funcionamento da língua portuguesa. O dialeto do Médio Tietê, por exemplo, reproduz elementos do idioma que são encontrados em todo o país e em Portugal. Dessa forma, ele não tem propriedades exclusivas, apenas faz uso de um montante de atributos capazes de o distinguirem. Porém, ao se pontuar tais qualidades e percebê-las em outras comunidades, compreende-se a formação do idioma, como ocorrem as variações e o porquê de elas se apresentarem. Ao notar que o idioma repete seus processos de formação, o ensino e a aprendizagem da língua materna tornam-se mais plenos, além de se reduzir o preconceito linguístico.

Resumo da pesquisa

A tese analisou a entoação de idosos com baixo grau de escolaridade moradores da região paulista do Médio Tietê — em Santana do Parnaíba, Pirapora do Bom Jesus, Capivari, Itu, Piracicaba, Porto Feliz e Tietê — para observar se haveria alguma especificidade em seu dialeto. Por meio de uma análise automatizada realizada pelo programa ExProsodia, observou-se que a fala dos entrevistados possuía o que chamamos de finalização plagal, isto é, quando o tom médio da fala e o seu tom final são semelhantes, diferentemente do que ocorre com falantes com alto grau de escolaridade, cuja finalização é mais acentuada em relação ao tom médio. Tal característica também foi observada em pesquisas com os índios guatós e os guaranis paraguaios, realizadas por Costa e Baz (ambas de 2011). Por causa da coincidência, esta pesquisa estendeu-se até o norte de Portugal, nas cidades de Braga, Bragança e Vila Real, buscando idosos que teriam tido nenhum ou pouco contato com outras culturas. O fato é que o mesmo ocorre por lá, o que nos leva à conclusão de que a escolaridade é responsável pela mudança entoacional da fala de uma pessoa, independentemente de sua cultura ou região.

 

Quais foram as conclusões?

Primeiramente, no que diz respeito ao uso do dialeto caipira, entende-se que ele não é tão diferente do chamado português padrão (utilizado nas mídias). No estudo de entoação, percebe-se que a fala no interior paulista não é totalmente plana, como mencionado por Amaral, possuindo inflexões em diversos casos. O que pode diferenciá-la, no entanto, é o grau de escolaridade do falante. A conclusão se deu, pois, ao se comparar o dialeto caipira com as línguas dos índios guatós, guaranis paraguaios e o português setentrional, foi verificado que todos trazem dados parecidos quando se fala do tom final: há a finalização plagal. Dessa forma, percebe-se que a entoação é um aspecto social que pode ser modificado pela alfabetização, já que o baixo grau de escolaridade era o dado comum entre os entrevistados. Sendo assim, observamos que a forma como a língua é ensinada é o fator determinante na construção dos elementos que formam a prosódia, pois, se o falante passou por um processo de escolarização superficial, ou simplesmente não o teve, ele tende a continuar apresentando finalizações plagais, independentemente da cultura em que esse sujeito esteja inserido.

Quem deveria conhecer seus resultados?

O estudo de entoação da fala caipira da região do Médio Tietê dá subsídio para que outras pesquisas aconteçam em áreas além de Letras, como em fonoaudiologia, educação e para a criação de novas tecnologias de reconhecimento de voz. Para os profissionais de Letras, a tese traz considerações que auxiliam a reduzir o preconceito linguístico e a trabalhar com dados físicos (estudo de ondas e tons) e estatísticos (comparação numérica e gráficos), de modo a obter informações verossímeis acerca da prosódia. Além disso, por meio deste estudo, podem-se estabelecer comparações com outros dialetos utilizados nos países de língua portuguesa. Em fonoaudiologia e educação, os profissionais poderão implementar estudos sobre o desenvolvimento da fala e aquisição da escrita, já que a mudança de entoação está ligada à fase em que a criança está sendo alfabetizada. Dessa forma, a tese amplia-se: além de ser um estudo dialetológico, ele se expande para a sociolinguística, linguística histórica e fonologia.

Rosicleide Rodrigues Garcia é doutora em Letras e mestra em Filologia e Língua Portuguesa pela USP (Universidade de São Paulo). É membro do Projeto de Pesquisa "História do Português Paulista" e especialista do dialeto caipira da região do Médio Tietê, realizando pesquisas acerca da fonética e fonologia de suas cidades. Tem dois livros sobre o tema: "The caipira dialect in Capivari: An individualized analysis to study the formation and expansion of the caipira dialect in Brazil", pela editora VDM-Velarg; e "Testemunhos do Século XIX da História de Capivari", pela editora Appris.

 

Referências

  • AMARAL, A. O dialeto caipira. São Paulo: Anhembi, 1955.
  • BAZ, D. G. M. As relações entre entoação frasal e melodia de músicas populares paraguaias. 2011, 161 p. Tese. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.
  • BARROS, R. C. R. A natureza linguística da alfabetização: aspectos prosódicos. In Signótica. V. 6. Goiás: UFG, 1994. p. 119-129.
  • COSTA, N. S. A. Variações entoacionais na língua portuguesa falada por mulheres guatós. 2011. Tese. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.
  • FERREIRA NETTO, W. Decomposição da entoação frasal em componentes estruturadoras e em componentes semântico-funcionais. In: IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE FONÉTICA E FONOLOGIA, 2008, Niterói. Caderno de Resumos. Niterói: UFF, 2008. v. 1. p. 26-27.
  • ________. ExProsodia. Revista da Propriedade Industrial – RPI , 2038, pág. 167, item 120, em 26/out/2010. Disponível em http://revistas.inpi.gov.br/pdf/PATENTES2038.pdf Acesso em 20 jul 2013. FERREIRA NETTO, W. Variação tonal na finalização de frases de PB. III Colóquio Brasileiro de Prosódia. UFMG, 2011.

Ver todas

Os artigos publicados no ‘Nexo Acadêmico’ são de autoria de colaboradores eventuais do jornal e não representam as ideias ou opiniões do nexo.