Tese - A moderna socialização escolar: um estudo sobre a construção da crença nas tecnologias digitais e seus efeitos para o campo da educação

Autora

Michelle Prazeres

Lattes

Orientadores

Maria da Graça Jacintho Setton e Eugênio Trivinho

Área e sub-área

Educação, Sociologia da Educação

Defendida em

Faculdade de Educação da USP, Estado, Sociedade e Educação - 16/09/2013

Link para o original

 

 

Esta pesquisa investiga qual é a origem da valorização do uso das tecnologias digitais nas escolas, se ela vem das empresas, dos próprios educadores ou dos governantes. De acordo com a autora, as tecnologias vêm sendo adotadas em processos educativos com uma “aura” positiva, sem que haja uma visão crítica sobre esse processo. A partir das políticas adotadas pelo Estado de São Paulo, o estudo busca mapear os discursos de modernização, ao revelar as instituições, os sujeitos e os valores envolvidos.

A qual pergunta a pesquisa responde?

As perguntas que movem a pesquisa são: como se explicaria a valorização dos usos das tecnologias nas escolas? Seriam as empresas em busca de maior rentabilidade em seus negócios? Seriam os educadores e as escolas buscando a atualização de seus currículos? Seriam os governantes no afã de se adequarem ao estilo de um novo tempo? Quais valores e posicionamentos institucionais são veiculados sobre a moderna socialização escolar? Quem são seus porta-vozes? Quais instituições e posições na sociedade eles representam?

Por que isso é relevante?

As tecnologias digitais vêm sendo adotadas em processos educativos como "solução modernizante"; condição para a inovação; ou "garantia de qualidade". O ambiente simbólico para a construção dessa crença é pouco ou nada criticado. Desvelar os sujeitos, valores e instituições envolvidos na construção dessa orquestração simbólica é relevante, para que seja possível mapear os discursos da modernização, não necessariamente com o intuito de "barrar" a chegada das tecnologias na educação (o que seria ingênuo), mas, sim, com a intenção de construir um olhar crítico e enxergar o potencial das tecnologias para a inovação educativa, cumprindo um sentido pedagógico e um objetivo significativo para os sujeitos da educação. Atendendo aos apelos da moderna socialização escolar e sem compreender os contextos de inserção das tecnologias na educação, aparentemente, dá-se conta de um imperativo de sentido mercadológico. O que a tese revela é que esses sentidos construídos aparentemente pelo campo das tecnologias circulam por outros campos (mídia, poder público e academia), construindo uma espécie de "aura" em torno das tecnologias, que dificulta qualquer olhar crítico para esses processos.

Resumo da pesquisa

Este estudo parte de um problema concreto: as políticas adotadas pelo Estado de São Paulo para modernizar a educação via tecnologias digitais. Seu objetivo é analisar como as tecnologias são representadas por quatro campos sociais: poder público, empresas, mídias e universidades. A intenção é averiguar se os valores promovidos por esses campos constituem um ambiente favorável ao processo de valorização, adoção e uso das tecnologias na educação. Tal processo recebe o nome de moderna socialização escolar, recurso retórico cuja validade é testada pelo estudo a partir de dois pressupostos centrais: (1) o de que existe uma sinergia entre esses campos na construção e na divulgação do repertório relacionado à moderna socialização escolar; (2) e o de que essa zona de convergência ou ambiência comum formada pelo compartilhamento de valores incide em um campo da educação “poroso”, que acolheria tais contribuições, aderindo à modernização de forma incontestável ou mesmo natural. A pergunta que move a pesquisa é: como se explicaria a valorização dos usos das tecnologias nas escolas?

Quais foram as conclusões?

O estudo foi motivado pelo que se confirmou ser um tipo de violência simbólica, sutil, doce e difusa, de algo que se tornou evidente e paira sobre todos os espaços. Tal violência (cujo expoente é imperativo da cibercultura sob a forma de apelo pela modernização via tecnologias) é exercida e incorporada quando agentes e instituições a submetem e a ela são submetidos de maneira aparentemente natural e destensionada. A imagem desse retrato acima mencionado revela uma pulverização de ideias e representações, uma verdadeira socialização difusa de um consenso, matéria de investigação para o campo da Sociologia da Educação. O que se estudou foi o processo de construção dessa ambiência, responsável pela existência de um “clima” favorável à implementação de políticas e projetos modernizadores da educação paulista. Viu-se que Estado/poder público, empresa, mídia e universidade comungam de valores e abordagens no que diz respeito ao impacto das tecnologias na educação; às tendências e à linguagem tecnológica nos espaços educativos. A incursão pelos documentos apresentou o que parece ser uma “rede em prol” da moderna socialização escolar.

Quem deveria conhecer seus resultados?

Educadores/as, gestores/as, pesquisadores/as da educação e das tecnologias, estudantes de pedagogia e de comunicação.

Michelle Prazeres é jornalista, mestra em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) e doutora em Educação pela FE-USP (Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo). Atualmente é professora da Faculdade Cásper Líbero, integrante da diretoria da ONG Ação Educativa e idealizadora do Desacelera SP. Atua como consultora para projetos educativos com uso de tecnologias digitais para a inovação e a qualidade; planejamento estratégico e comunicação para organizações e movimentos sociais; e arquitetura da informação e produção de conteúdo para mídias sociais.

 

Referências

  • BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.
  • _____. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora Unesp, 2004a.
  • ______. Coisas Ditas. Tradução: Cássia R. da Silveira e Denise Morena Pegorim. São Paulo: Brasiliense, 2004b.
  •  _____. Meditações Pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.
  • _____. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2009.
  • ______. A economia das trocas linguísticas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.
  • ______. Questões de sociologia. Fim de século – Edições, Sociedade Unipessoal, LDA: Lisboa, 2003.
  • _______. Estruturas sociais e estruturas mentais. Teoria & Educação no 3. Porto Alegre, 1991, pp. 113-119.
  • _______. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2008.
  • OROZCO-GOMES, Guillermo. Professores e Meios de Comunicação: desafios e estereótipos. Comunicação & Educação. São Paulo: ECA/USP/Moderna, nº. 10, 1997.
  • ______. Televisión, audiencias y educación. Buenos Aires: Norma, 2001.
  • ______. Podemos ser mais criativos ao adotar a inovação tecnológica em educação? Uma proposta em comunicação. In Revista Matrizes, n. 1, vol 1, 2007.

Ver todas

Os artigos publicados no ‘Nexo Acadêmico’ são de autoria de colaboradores eventuais do jornal e não representam as ideias ou opiniões do nexo.