resumo 22 Mar 2017

A tentativa do Senado de amenizar a terceirização do trabalho. A reação das centrais sindicais. A volta da agenda dos anos 1990. As revelações da Odebrecht à Justiça Eleitoral. A autoria do atentado em Londres. E outras coisas mais.

entenda o que está em jogo agora

Terceirização no Brasil

O presidente do Senado, Eunício Oliveira afirmou ontem que vai colocar em votação um novo projeto de terceirização, mais brando do que o aprovado na quarta-feira pela Câmara. A ideia é que o presidente Michel Temer use dispositivos dos dois textos na hora de sancionar a matéria. / folha

O texto aprovado pelos deputados permite a terceirização irrestrita de trabalhadores, de todas as áreas de uma empresa. Em nota conjunta, as principais centrais sindicais do país disseram ontem que, se for sancionado como está por Temer, o projeto condena os empregados à “escravidão”. / estadão

O projeto de terceirização aprovado pelos deputados é do fim dos anos 1990. Outra proposta daquela época também está na mira dos parlamentares, dentro das discussões de anistia ao caixa dois. Este texto mostra os contextos em que as matérias foram apresentadas 20 anos atrás e por que elas estão de volta à agenda nacional. / nexo

Na noite de ontem, Temer esteve em São Paulo para uma reunião com grandes empresários do país para discutir a terceirização, além das reformas trabalhista e da Previdência. / o globo

olhe além da fronteira

Autoria do ataque em Londres

A polícia londrina identificou o britânico Khalid Masood, de 52 anos, como o responsável pelo ataque na região do Parlamento na quarta-feira. Ele não era alvo de nenhuma investigação em curso. / folha

O grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou a autoria do atentado, que deixou quatro mortos e dezenas de feridos. Um site de propaganda jihadista informou que o agressor era um soldado do grupo. / estadão

fique atento a isto

Odebrecht no TSE

No depoimento de 1º de março ao TSE, que analisa um pedido de cassação da chapa de Dilma Rousseff e Michel Temer, o ex-presidente do grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, disse que a petista sabia do caixa dois em 2014. Outro delator da empreiteira afirmou que o apoio partidário à dupla naquela eleição foi comprado. / folha

Aumento de impostos

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou ontem em entrevista que o governo elevará impostos para cumprir a meta fiscal deste ano. Ele mencionou que a receita maior poderá vir do aumento da alíquota do PIS/Cofins e do fim de isenções fiscais concedidas a setores da economia. / sbt

opinião

Algo de podre no reino da agroindústria

“O sistema político brasileiro fez uma escolha: o país iria se especializar em produzir em grandíssima escala, para competir apenas no preço. E a esquerda que não me venha culpar a direita – e nem a direita venha culpar a esquerda.” Leia na coluna de Denis Burgierman desta semana. / nexo

desacelere

Por que vemos rostos em todo lugar? :)

Este vídeo esclarece o que é pareidolia, um fenômeno psicológico que pode ter origem evolutiva e que acontece quando nosso cérebro busca sentido nos estímulos externos. / nexo

inspire-se

Os versos esquecidos por Chico Buarque

Em carta a Augusto Boal enviada em 1975, Chico Buarque apresenta uma versão inicial da canção “Meu caro amigo”, com versos que depois foram excluídos da letra da música. / ims